Plataforma de Desenvolvimento Territorial

Considerada uma ferramenta indispensável para organizar e planejar o desenvolvimento integrado do Oeste do Paraná, a Plataforma de Desenvolvimento Territorial estabelece uma atuação da Fundação PTI e da Itaipu Binacional como agentes indutores do processo de planejamento para o desenvolvimento endógeno do Território, por meio de:

- ações mobilizadoras com agentes locais;
- uma nova regionalização do território;
- geração de informações, análises, debates e trocas de experiências, entre pesquisadores, agentes locais e sociedade;
- constituição de uma governança regional.

O trabalho faz parte de uma parceria com a Itaipu, Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Associação dos Municípios do Oeste do Paraná (Amop),  Coordenadoria das Associações Comerciais e Empresariais do Oeste do Paraná (Caciopar), Federação das Indústrias do Estado do Paraná (FIEP) e Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Em 2012, a Fundação PTI promoveu um levantamento sobre as potencialidades de desenvolvimento da região Oeste do Paraná, que abrangeu 54 municípios. A pesquisa apontou o peso do agronegócio (com ênfase na produção de proteína animal) na economia da região e a importância das indústrias metalmecânica e de fármacos, que geram muitos empregos.

O próximo passo será aprofundar a pesquisa, identificando, também, os gargalos existentes e os custos para solucionar problemas como questões logísticas, de infraestrutura e de capacitação profissional. A partir desse levantamento, a ideia é desenvolver políticas setoriais voltadas à solução desses gargalos (questões logísticas, de infraestrutura e de capacitação profissional).

 

Durante o ano de 2013, foram firmados sete acordos de cooperação com as seguintes entidades:

 

- Itaipu Binacional;

- Fundação PTI – Paraguai;

- Associação Basca de Agências de Desenvolvimento (Garapen);

- Associação Fundo Andaluz de Municípios para a Solidariedade Internacional (Famsi);

- Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (ART-PNUD Bolívia);

- Associação dos Municípios do Oeste do Paraná (Amop);

- Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Paraná (Sebrae/PR);

- Coordenadoria das Associações Comerciais e Empresariais do Oeste do Paraná (Caciopar);

- Agência de Desenvolvimento Regional do Sudoeste do Paraná;

- Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep);

- Banco Interamericano de Desenvolvimento - Fundo Multilateral de Investimentos (BID-Fumin).

 

Também foram realizados um workshop, três palestras e um seminário sobre Desenvolvimento Territorial, além do lançamento do livro “Fundamentos da Análise e Planejamento de Economias Regionais”, do Dr. Carlos Paiva, publicado pelo PTI e pela Itaipu Binacional.


Principais ações:
 
- Disseminar e homogeneizar os conceitos do Desenvolvimento Territorial;
- Disponibilizar as informações regionais via web;
- Identificar e analisar as cadeias produtivas propulsoras da região;
- Construir um plano de desenvolvimento territorial;
- Constituir uma rede de desenvolvimento territorial;
- Articular um processo participativo de implementação da plataforma de desenvolvimento territorial;
- Promover o intercâmbio de boas práticas, utilizando a metodologia ART-PNUD.


Projeto Beira Foz

As primeiras ações do projeto Beira Foz, que trata-se da elaboração de um amplo plano diretor de urbanização da região de fronteira, ao longo das margens dos rios Paraná e Iguaçu, desde os limites da usina de Itaipu até o Parque Nacional do Iguaçu; foram apresentadas em julho ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, durante reunião no PTI.

Estão previstas, a construção de bases náuticas para a Marinha, a Polícia Federal e Polícia Ambiental, a realocação de 2.500 famílias que hoje estão em favelas e terão novas moradias e equipamentos urbanos, e a reurbanização das áreas próximas às margens dos rios, incluindo a construção da segunda ponte ligando o Brasil ao Paraguai. O objetivo do projeto é melhorar as condições de segurança da fronteira, beneficiando o turismo e o desenvolvimento econômico e social.