Parque Tecnológico Itaipu – Brasil conquista prêmio de inovação World Summit Award (WSA)

O projeto da plataforma de Mobilidade Veicular (MoVe) está entre os selecionados para representar o Brasil na etapa global do WSA 2021.

O Parque Tecnológico Itaipu – Brasil (PTI-BR) conquistou o prêmio World Summit Awards (WSA) edição 2021, etapa nacional, na categoria Assentamentos Inteligentes e Urbanização, com o projeto “Plataforma MoVe”, solução de compartilhamento e monitoramento de veículos elétricos. O anúncio da premiação ocorreu no final da tarde desta terça-feira (31), online e ao vivo, durante a realização da Digitalks Expo 2021, o principal evento de negócios da economia digital e tecnologia.

O WSA é uma premiação global com o intuito de selecionar e promover os melhores e mais inovadores conteúdos digitais do mundo, valorizando a relevância em relação ao contexto em que foi criado, bem como a contribuição a inclusão e acessibilidade digitais. No Brasil, o prêmio dá visibilidade aos projetos mais inovadores, criativos, inclusivos e com maior impacto social que ofereçam soluções para os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações Unidas.

Para o diretor superintendente do Parque Tecnológico Itaipu (PTI-BR), general Eduardo Garrido, o prêmio representa um reconhecimento importante do trabalho realizado pela equipe e consagra o projeto que vem trazendo grandes benefícios em prol do desenvolvimento social e da preservação do meio ambiente. “Receber o prêmio para inovações tecnológicas da WSA é motivo de orgulho para o Parque Tecnológico. Por trás de cada conquista existe muito trabalho, pesquisa, empenho das equipes e inovação que resultam em desenvolvimento e novos negócios para o progresso e bem-estar da sociedade, especialmente nessa área tão importante que é a mobilidade elétrica, tendo em vista uma questão que envolve o mundo moderno, que é a locomoção. O crescimento da população nos grandes centros urbanos trouxe um aumento expressivo do número de veículos, e pior, veículos a base de combustão”, afirma.

Plataforma MoVE

A Plataforma de Mobilidade Veicular (MoVE), que agora irá representar o Brasil pela categoria vencedora na etapa global do prêmio WSA, é um projeto-piloto pioneiro de compartilhamento de veículos elétricos para frotas públicas para a realização de atividades diárias de logística urbana, monitoramento da segurança pública, assistência ao turista e transporte de mercadorias.

Dentro do contexto da economia compartilhada, a solução contribui para a mobilidade urbana, já que tem o potencial de reduzir a frota de veículos e diminuir a emissão de gases poluentes no ambiente.

O sistema, desenvolvido em parceria entre o PTI-BR e a Itaipu Binacional, permite reservar os veículos a distância, acompanhar a localização dos ativos, monitorar a velocidade, a autonomia do carro, motoristas, as rotas percorridas, estimar a quantidade de CO2 que deixou de ser emitida, além de outras informações.

Desde que a solução foi implantada, em 2018, mais de 12 toneladas de CO2 deixaram de ser emitidas através de mais aproximadamente 62 mil quilômetros rodados através da frota elétrica. Além da área da hidrelétrica da Itaipu Binacional, o projeto MoVE também está disponível nas Cidades de Brasília (DF) e Curitiba (PR) através de parcerias realizadas ao longo da implantação da solução.

Atualmente, o projeto tem sido conduzido pelo Centro de Competências de Tecnologias Abertas e IoT, que em pouco mais de um ano, conseguiu expandir a solução para diferentes modelos de veículos, além de estar trabalhando em soluções de gestão de frotas para aplicações movidas a combustão.

Diretoria do Parque Tecnológico Itaipu – Brasil com parte da equipe do Centro de Competências de Tecnologias Abertas e IoT.

Sobre o WSA

O WSA nasceu com o objetivo de reforçar a mensagem de que as tecnologias da informação e comunicação são indispensáveis para o desenvolvimento, seja no plano pessoal, nacional ou global.

A competição global é resultado de seleções nacionais, envolvendo mais de 180 países, que, em concursos locais, selecionam as melhores práticas e os melhores projetos em oito categorias: Governo e Participação Cidadã, Saúde e Bem-estar, Aprendizagem e Educação, Meio Ambiente e Energia Verde, Cultura e Turismo, Assentamentos Inteligentes e Urbanização, Negócios e Comércio e Inclusão e Empoderamento.

O WSA teve início em 2003, em Genebra, no âmbito da cúpula das Nações Unidas sobre a Sociedade da Informação (WSIS – World Summit on the Information Society) e vem sendo realizado a cada dois anos, sendo coordenado pelo Centro Internacional de Novas Mídias (ICNM – International Center for New Media), de Salzburg, Áustria. Nos 18 anos de existência do WSA, já foram premiados mais de 700 projetos, vindos do mundo todo.

PTI-BR, Itaipu Binacional e Exército Brasileiro definem continuidade das ações na área de segurança cibernética  

O convênio Ceape² tem como estratégia atuar na promoção de simulações, testes e capacitações em prol da proteção de infraestruturas estratégicas do setor energético.

A parceria entre o Parque Tecnológico Itaipu (PTI-BR), a Itaipu Binacional e o Exército Brasileiro para o desenvolvimento de projetos na área de segurança cibernética e proteção de infraestruturas estratégicas foi reafirmada em encontro realizado nesta segunda-feira (30), em Foz do Iguaçu. Desde 2015, os trabalhos são realizadas por meio do Centro de Estudos Avançados em Proteção de Estruturas Estratégicas (CEAPE²), fruto de uma cooperação técnica e financeira tripartite, firmada entre as instituições.

A agenda teve início no Centro Executivo Itaipu Binacional, onde a comitiva do Exército Brasileiro (EB), foi recepcionada pelo diretor-geral brasileiro da Itaipu Binacional, general João Francisco Ferreira e pelo diretor superintendente do PTI-BR, general Eduardo Garrido. Na ocasião, o grupo, liderado pelo vice-chefe do Departamento de Ciência e Tecnologia, general de Divisão Luis Henrique de Andrade e pelo comandante de Defesa Cibernética, general de Divisão Heber Garcia Portella, pode acompanhar a palestra com a temática: “Ceape² – uma parceria tripartite de sucesso”.

Parceria

De acordo com o general Ferreira, estreitar os laços de parceria entre as instituições, visando o interesse nacional e o bem comum, é uma satisfação. “Que juntos possamos construir soluções que irão garantir a segurança da Itaipu e, principalmente, pelo significado e importância que ela tem para o Brasil”, destacou o diretor-geral brasileiro.

Para o diretor superintendente do PTI-BR, general Eduardo Garrido, o encontro demonstra a importância de se tratar do tema e a oportunidade de firmar a continuidade da parceria de sucesso entre as instituições. “Também temos a possibilidade de levar a nossa expertise e replicar os trabalhos desenvolvidos à outras empresas, tanto por meio de treinamentos, como em simulações e testes”, afirma. “São várias áreas que podemos atuar em defesa do sistema elétrico brasileiro ofertando conhecimento, orientações e protocolos frente à determinadas ameaças”, complementou Garrido.

Segundo o vice-chefe do Departamento de Ciência e Tecnologia, general de Divisão Luis Henrique de Andrade com a modernização, automação e tecnologia da informação da Itaipu Binacional é importante a criação de mecanismos de defesa. “Temos o interesse em trabalhar juntos para desenvolvemos pesquisas em simulação de ataques cibernéticos para o setor hidrelétrico que é tão importante para nós. Colaborando também com estudos em conjuntos que podem ser estendidos para outas áreas que demandam da proteção cibernética” comentou.

Resultados

Após a abertura do encontro, os gestores do Centro de Competência de Segurança Cibernética do Parque Tecnológico coronel Marcos Antônio Horta Ferreira e coronel Gilson Herminio Rocha Junior, apresentaram um histórico do projeto que, desde o início, já treinou e sensibilizou mais de 2 mil especialistas e desenvolveu 800 horas/ano de seminários, workshop e palestras. Além de promover discussões do tema segurança, com ênfase na proteção cibernética, com outras infraestruturas críticas (IEC) na intenção de compartilhar ideias e resultados.

O diretor de coordenação da Itaipu general Luiz Felipe Kraemer Carbonell; o diretor técnico executivo da Itaipu Celso Torino; o diretor administrativo Paulo Roberto da Silva Xavier; o diretor técnico do PTI-BR Rafael José Deitos; entre outros representantes da Binacional e do Parque Tecnológico, também participaram da programação.

Visita ao PTI

Logo após, a comitiva seguiu para o PTI-BR para visitar o ecossistema de inovação do Parque Tecnológico. O grupo conheceu in loco o laboratório vivo do Programa Cidades Inteligentes e as iniciativas nas áreas de Energias Renováveis, Estruturas de Barragens, Automação e Simulação, e por fim, os laboratórios do Centro de Competência de Segurança Cibernética e do Ceape² localizados no Centro de Desenvolvimento Tecnológico (CDT).

Comitiva EB

 Também integraram a comitiva o chefe do Centro de Desenvolvimento de Sistemas, general de divisão Eduardo Wolski, chefe do Centro de Defesa Cibernética, general de Brigada Paulo Sérgio Reis Filho, chefe do Departamento de Gestão Estratégica, Brigadeiro Intendente Luiz Fernando Moraes da Silva, chefe do Estado-Maior Conjunto, Contra-Almirante Rudicley Cantarin, e representantes do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República (GSI/PR), do Programa Estratégico Defesa Cibernética (EME), Projeto Defesa Cibernética (IME), Segurança da Informação e de Infraestruturas Críticas, entre outros representantes do Exército.

Saiba quais benefícios o PTI pode trazer à Foz ao fazer parte da Câmara do Turismo 4.0

Com duas cadeiras ofertadas ao município, Foz é representado pelo Parque Tecnológico Itaipu – Brasil, que gere um dos pontos turísticos mais visitados da cidade — o Complexo Turístico Itaipu, e a outra cadeira é composta pela Secretaria Municipal de Turismo.

Foz do Iguaçu conta com dois assentos garantidos na Câmara de Turismo 4.0, representados pelo secretário municipal de Turismo, Projetos Estratégicos e Inovação, Paulo Angeli, e a outra cadeira pelo diretor administrativo-financeiro do Parque Tecnológico Itaipu, Flaviano Masnik. Com o propósito de levantar questões pertinentes ao desenvolvimento do turismo e destinos turísticos inteligentes, a Câmara do Turismo 4.0, desde então tem atuado com encontros regulares que discutem necessidades e propõem ações, programas e projetos estratégicos para potencializar atividades turísticas nos principais destinos do país.

A Câmara de Turismo 4.0 está sob a coordenação do Ministério do Turismo (MTur) e do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), com participação de instituições públicas e privadas empresariais, governamentais e acadêmicas, e vem para facilitar e identificar a necessidade de ferramentas tecnológicas, de infraestrutura e outras capazes de elevar o patamar de desenvolvimento inteligente dos destinos.

Outra atividade da Câmara é incentivar a criação e o desenvolvimento de Empresas de Base Tecnológica (startups), com aplicação no ambiente do Turismo. Esta também é uma das vertentes trabalhadas pelo Parque Tecnológico, que por meio do edital Smart Vitrine, têm trazido a atenção e o interesse de empresas nacionais e internacionais para o município.

Foz na Câmara do Turismo 4.0 significa desenvolvimento de novas tecnologias em todos os âmbitos do setor do Turismo: segurança, mobilidade, inclusão, digitalização, educação, inovação, entre outros. A afirmação é do diretor administrativo-financeiro do PTI, Flaviano Masnik. “Nós fazemos parte de projetos que têm vindo para a cidade com o intuito de tornar Foz cada vez mais tecnológica, focando, na experiência dos turistas e no bem-estar da população”, comenta o diretor. “Levaremos à Câmara nossa expertise relacionada às Smart Cities e execução do decreto Sandbox do Programa Vila A Inteligente. Trabalhamos no PTI Brasil com soluções tecnológicas, turismo e cidades inteligentes. Essa é a oportunidade de juntarmos todas as nossas expertises”.

Para o secretário municipal de turismo, projetos estratégicos e inovação, Paulo Angeli, mais do que importante, é essencial Foz do Iguaçu estar representada na Câmara. “Sendo um dos destinos turísticos mais relevantes do Brasil, devemos participar das discussões relacionadas ao turismo nacional”, comenta Angeli. “Foz está com grandes projetos, a exemplo do Vila A Inteligente, e projetamos ações maiores”. O secretário destaca ainda que a cidade já é referência em turismo, por isso deve-se focar em turismo inovador unido à sustentabilidade.

Representar Foz do Iguaçu, segundo Flaviano, é colocar em prática o propósito do Parque Tecnológico, que visa transformar conhecimentos e tecnologias em soluções para o progresso da sociedade. Além disso, o PTI faz a gestão do turismo de Itaipu, que conta com cinco passeios ativos – Itaipu ByBike, Itaipu Panorâmica, Itaipu Ecomuseu, Refúgio Biológico, e Itaipu Tour Virtual – e que faz parte do ranking dos destinos mais visitados da tríplice fronteira.