Rua Sergipe, em Londrina, recebe tecnologias desenvolvidas pelo PTI-BR e torna-se referência nacional

A principal avenida de varejo da cidade recebe tecnologias inteligentes que visam melhorar resultados econômicos e remodelar negócios.

Com cerca de 400 lojas comerciais, a rua Sergipe, em Londrina (PR) é a principal avenida comercial do município e já está sendo beneficiada com novas ações de transformação digital que vão contribuir para o incremento dos negócios e o aumento da resiliência de suas empresas a ataques cibernéticos.

O ambiente urbano será o primeiro espaço no Brasil a receber o programa Conecta, da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), que reúne tecnologias de cidades inteligentes, maior conectividade, transformação digital dos negócios e segurança cibernética. Os projetos são realizados em parceria com a Prefeitura de Londrina e o Parque Tecnológico Itaipu Brasil (PTI-BR).

O evento de lançamento do Conecta aconteceu hoje, 27 setembro, no Museu de Arte, em Londrina, e contou com a participação de autoridades nacionais como o vice-governador do estado do Paraná, Darci Piana e o Ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes, que destacou que um projeto como o Conecta pode trazer uma série de ensinamentos a serem levados para outros lugares, fazendo essa importante conexão entre as pessoas e a tecnologia.

Ele também fez questão de ressaltar a quantidade de postos de trabalho gerados pelo setor. “Ao contrário do que se diz, tecnologia gera empregos. Temos um gap hoje de 500 mil vagas na área de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC)”, afirmou.

“Nossa missão é estimular a transformação digital do pequeno ao grande empreendimento. Em Londrina, investimos na principal rua de comércio da cidade com um projeto inédito da ABDI. Queremos resgatar o comércio de rua em um ambiente digital e seguro para o momento de enfrentamento pós-pandemia”, disse o presidente da ABDI, Igor Calvet. O objetivo é, inicialmente, propiciar ao comerciante o benefício da conectividade para, em seguida, ajudá-lo a transformar seus negócios. “E, frente ao aumento de sua exposição na rede, apoiá-lo com ações de segurança da informação”, acrescentou. Para ele, inovação e tecnologia devem servir às pessoas. “E o que estamos fazendo aqui é transformar tudo o que o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações tem feito em Inteligência Artificial, em IoT, em algo prático e que possa ser replicado”.

O diretor de negócios e inovação do PTI-BR, Rodrigo Regis, destacou que a tecnologia pela tecnologia não agrega em nada. “Ela só agrega quando melhora a qualidade de vida das pessoas. É preciso aproveitar essa conectividade para estimular o empreendedorismo”. No ato, também representando o general Eduardo Garrido, o diretor superintendente do Parque, Regis reforçou a fala constante do diretor mencionando que “isso é a tecnologia fazendo parte e atuando para facilitar a vida da população. Nosso papel é gerar riqueza e bem-estar social através de soluções tecnológicas, e assim melhorar o cotidiano da população. Começamos com Foz do Iguaçu, nossa cidade natal, e agora avançamos para mais um município paranaense, nossa visão é expandir cada vez mais” afirmou, deixando uma mensagem aos governantes municipais para que aproveitem a oportunidade para incentivar o empreendedorismo local.

Para o prefeito de Londrina, Marcelo Belinati, trata-se de um projeto inovador que coloca Londrina como modelo nacional na área de tecnologia e inovação, contribuindo para melhorar a qualidade de vida da população e aquecer o comércio local. “A rua Sergipe é um centro comercial tradicional de Londrina com comerciantes, que em sua grande maioria são da cidade, gerando emprego e renda. Agora, eles, assim como os consumidores, terão à sua disposição mais segurança, um trânsito mais ágil e soluções tecnológicas para facilitar as vendas e a comunicação. É um projeto muito importante”, declarou.

A deputada Luísa Canziani destacou que vem trabalhando desde o ano passado para viabilizar o projeto, que vai disseminar a adoção de boas práticas em transformação digital entre as empresas para qualificação do relacionamento com os clientes. “Com esse projeto confirmamos a vocação de Londrina para a inovação e a tecnologia. Falar do nosso amor por Londrina é falar da Rua Sergipe. E graças à ABDI que temos o projeto Conecta aqui, que vai trazer muita qualidade de vida às pessoas com inteligência, tecnologia e inovação”.

Cidades Inteligentes

A rua Sergipe vai testar tecnologias de Smart Cities nos setores da segurança pública, mobilidade urbana e conectividade. A ABDI já instalou no local cinco luminárias inteligentes com câmeras e wi-fi integrados; software de reconhecimento facial; dois cruzamentos semafóricos com sistemas de inteligência artificial integrados e botoeiras com recursos de acessibilidade; seis câmeras de reconhecimento de placas de veículos; e um centro de comando e controle com videowall.

“Nosso desejo é oferecer aos lojistas e usuários da rua Sergipe os benefícios das tecnologias de cidades inteligentes. Eles vão poder testar as soluções e aprimorar seus negócios ou experiências de consumo usando as melhores ferramentas tecnológicas da economia digital”, explicou o gerente da Unidade de Novos Negócios, Tiago Faierstein.

Transformação digital

A segunda ação será executada no âmbito do projeto Jornada Digital. A ABDI selecionou empreendimentos locais, que terão acesso à ferramentas e tecnologias digitais disponíveis no mercado e de baixo custo, em uma plataforma 100% online, com o objetivo de apoiá-las em seus processos de digitalização, alinhando suas estratégias e objetivos de negócios às boas práticas digitais.

“Queremos transformar o aumento da conectividade em vantagem competitiva. Para isso, vamos capacitar os lojistas a remodelarem suas estratégias de negócios tirando o maior proveito possível das tecnologias instaladas na rua Sergipe”, afirmou Adryelle Pedrosa, gerente da Unidade de Transformação Digital da ABDI.

Segurança cibernética

Na terceira ação, do projeto Cyber Arena, parte das empresas serão beneficiadas com treinamento de segurança da informação, com mentorias, exercícios práticos e apresentação de soluções. O objetivo é conseguir que essas empresas tenham um aumento de, pelo menos, 15% na resiliência da segurança da informação.

O Mapa de Digitalização das Micro e Pequenas Empresas Brasileiras, pesquisa realizada pela ABDI com a FGV, revelou que 57% das MPEs não realizam nenhuma ação voltada para a área de cibersegurança. O levantamento também apontou que apenas 21,4% das empresas têm alguma ferramenta de proteção de dados.

“A pesquisa nos chamou a atenção para esse quadro preocupante. Num cenário cada vez maior de digitalização, qualquer empresa, de qualquer tamanho, aumenta a sua exposição na rede. E, portanto, deve inserir a cibersegurança como uma das prioridades da estratégia de negócio”, afirma Cynthia Mattos, gerente da Unidade de Projetos Especiais da ABDI.

Autoridades presentes

O evento contou também com a presença do Secretário de Empreendedorismo e Inovação do MCTI, Paulo Alvim; Presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae e Faciap, Fernando Moraes; Coordenador do Grupo Rua Sergipe, Angelo Pamplona; Vereador Jairo Tamura; Presidente da Associação Comercial e Industrial de Londrina, Marcia Manfrin; Presidente do Instituto de Desenvolvimento de Londrina, Bruno Ubiratan; Secretário Municipal de Governo, Alex Canziani; Presidente da Companhia de Tecnologia e Desenvolvimento, Luciano Kuhl.

PTI-BR e I2A2 oferecem programa gratuito de capacitação em inteligência artificial e as inscrições vão até 30/09

Em uma parceria inédita firmada com a instituição canadense, o Parque Tecnológico Itaipu – Brasil (PTI-BR) traz ao Oeste do Paraná curso em inteligência artificial de renome internacional, voltado aos estudantes e profissionais da área.

O Parque Tecnológico Itaipu – Brasil (PTI-BR) e o Instituto de Inteligência Artificial Aplicada (I2A2), com sede em Toronto, no Canadá, estão com inscrições abertas para o Programa de Capacitação em Inteligência Artificial (IA), voltado para estudantes e profissionais da região Oeste do Paraná. Fruto de um termo de cooperação técnica, científica e cultural firmado ainda em agosto deste ano pelas duas instituições, o programa oferece 100 vagas para realização do curso gratuitamente. As inscrições podem ser realizadas até 30 de setembro.

Educação como forma de transformação social. Esse foi o pontapé inicial para que o PTI-BR e o I2A2 unissem forças, com o apoio do T2I Group e da Data H (representante do Instituto canadense no Brasil), para trazer à Foz do Iguaçu um dos mais renomados programas de capacitação em Inteligência Artificial do mundo. Com o viés social, a expectativa da parceria é estimular a qualificação profissional dos participantes e, consequentemente, a aplicação dos novos conhecimentos no desenvolvimento de produtos e serviços inovadores para a sociedade e o mercado.

Para o general Eduardo Garrido, diretor superintendente do PTI-BR, a parceria é mais uma das iniciativas do Parque Tecnológico visando o desenvolvimento da região oeste do Paraná: “A inteligência artificial tem grande potencial para transformar o mundo que conhecemos hoje. Por meio dessa cooperação, buscamos acompanhar a velocidade do avanço do conhecimento, trazendo a inovação e a atualização tecnológica para gerar impactos positivos no crescimento da região, projetando-a como uma referência nacional e internacional”, disse o general Eduardo Garrido.

Da mesma forma, o empresário Cid Vianna, diretor de novos negócios do T2I Group e facilitador deste projeto, acredita que o Paraná possui muito potencial intelectual e de mercado ainda inexplorados e que, mobilizações como essa auxiliam a criar um ambiente favorável para a inovação: “A inteligência artificial é uma revolução em andamento, que visa melhorar e facilitar as diversas áreas da nossa sociedade. Com o Programa, queremos contribuir para mudar o cenário da educação tecnológica no Brasil, construindo uma rede de profissionais qualificados e capazes de moldar um ecossistema propício para a inovação.”, complementa.

Sobre o programa

O programa será realizado de maneira remota, com aulas online, sendo composto por seis módulos que terão a duração de seis meses cada, totalizando aproximadamente três anos de curso. Os estudantes receberão semanalmente o material a ser estudado e, ao final de cada semana, serão realizados encontros entre eles e os tutores com o intuito de revisar o conteúdo proposto.

A cada três semanas será lançado um problema relacionado aos assuntos vistos até então e suas respostas devem ser entregues no encontro da quarta semana, possuindo caráter eliminatório. Ao longo do curso, os participantes serão capacitados a compreender e encontrar soluções para problemas que envolvam: Advanced analytics em dados tabulares (módulo 1), Visão computacional (módulo 2), Processamento de linguagem natural (módulo 3), Robótica e sistemas autônomos (módulo 4).

Segundo Evandro Barros, CEO da Data H, “a demanda por profissionais especializados em inteligência artificial é alta no Brasil e no mundo. É uma área que cresce diariamente, e as possibilidades de atuação são imensas, assim como a remuneração. O Programa, com reconhecimento internacional, é uma oportunidade única de desenvolvimento para atuar nesse mercado.”

Como participar

As inscrições já estão abertas e podem ser realizadas por meio do site do I2A2 até 30 de setembro. Ao entrar no link, o candidato deve realizar um breve cadastro, preenchendo os espaços indicados com informações de identificação, formação acadêmica e seu nível de conhecimento nas áreas básicas exigidas para participar do programa.

Para ser aceito, o candidato deve ter conhecimentos mínimos de: Matemática (álgebra linear, álgebra vetorial e geometria analítica, análise combinatória e probabilidades), Estatística (estatística descritiva e inferencial), Programação (preferencialmente a linguagem Python).

Conheça os conferencistas que já confirmaram presença no Latinoware 2021

O Latinoware vai ocorrer entre os dias 13 e 15 de outubro e as inscrições são gratuitas.

 

A menos de um mês do início do 18º Congresso de Software Livre e Tecnologias Abertas da América Latina (Latinoware), o evento já conta com mais de 230 palestrantes.

Dentre as presenças já confirmadas a professora Débora Garofalo, primeira mulher brasileira (e da América do Sul) a chegar entre os top 10 do Global Teacher Prize, Nobel da Educação; foi considerada em 2019 uma das 10 melhores professoras do Mundo.

O Latinoware terá o retorno de vários palestrantes de peso, por exemplo, Jon “Maddog” Hall, ícone do software livre mundial.  Maddog, diretor do Linux Professional Institute, é considerado um dos grandes entusiastas do software livre no mundo.

O empreendedor social, Tiago Silva, mais conhecido como “Mochileiro pela Educação” também estará no evento. Tiago já percorreu 65 cidades brasileiras, distribuindo cerca de 7.500 livros, e levando a mensagem da educação que salva vidas.

Outro conferencista será Fabiano Fruett, professor da Unicamp, é membro do projeto School 4.0 que tem como foco a formação de professores para as atividades de código aberto Maker e STEAM em escolas K10 +. É Ph.D. pela Universidade de Tecnologia de Delft, Holanda, onde publicou dezenas de artigos científicos, além de um livro na área de sensores microeletrônicos.

 

Empreendedorismo e Inovação

Este ano será a 18ª edição do Latinoware, que vem se consolidando como o maior evento de tecnologias livres da América Latina. Seus resultados extrapolam a área científica, beneficiando milhares de jovens e profissionais da área de tecnologia.

Para o diretor superintendente do Parque Tecnológico Itaipu – Brasil (PTI-BR), general Eduardo Garrido, o Latinoware é um congresso alinhado com a missão da Itaipu Binacional e do PTI-BR, que é trazer desenvolvimento para região oeste do Paraná.

“Precisamos que nossos jovens estejam envolvidos nessa temática do software livre para que possamos vê-los participando, cada vez mais, de ações de empreendedorismo e inovação.

 

Participantes confirmados

Além dos conferencistas já citados, confira alguns dos palestrantes confirmado para o Latinoware:

Barbara Tostes: jornalista, especialista em EaD, participou de ações produzindo milhares máscaras (Face Shields) para doação. As máscaras são compostas por uma película de acetato, que cobre todo o rosto, recomendada pela ONU para os profissionais da saúde. Participou como jornalista voluntária na equipe de coordenação da área de Software Livre no evento tecnológico campus Party Brasil (2012-2014).

Márcia Vieira: especialista Design Thinking, Design Sprint e facilitadora em eventos de alto impacto. Também possui especialização internacional em Gestão do Conhecimento (Bruxelas – Bélgica). Profissional com mais de 20 anos de experiência na área de marketing, com diversos prêmios na área.

Presleyson Lima: mestre em Sistemas da Informação e Gestão do Conhecimento. Atualmente é Diretor de Marketing e Comunicação da Prolinx.

Otávio Salvador: empresário, escritor e CTO na O.S. Systems Development Lab. Sua principal área de atuação é o Linux embarcado, onde trabalha com consultoria e desenvolvimento desde 2002.

Rolf Satake Gugisch: engenheiro eletricista com ênfase em controle e automação. Tem experiência em desenvolvimento de sistemas embarcados, atuou em projetos de mobilidade elétrica e mobilidade sustentável da Itaipu Binacional. Atualmente é gerente da célula de competência inteligência e gestão territorial do PTI-BR.

 

Inscrições

Para saber mais sobre a programação e participar de todo o congresso basta acessar o site: https://latinoware.org.

Acompanhe também as redes sociais do evento: @latinoware (Facebook, Instagram, LinkdIn e Twitter). No Twitch: twitch.tv/latinoware e no Youtube: /c/LatinowarePlay.

 

Débora Garofalo

Tiago Silva, “Mochileiro pela Educação

Fabiano Fruet