Foz do Iguaçu será a primeira cidade do Brasil a utilizar Gêmeos Digitais

Ambientes do Bairro Itaipu A serão representados em imersão no metaverso (realidade virtual)

  

Você sabe o que são gêmeos digitais? Trata-se de uma tecnologia capaz de criar modelos virtuais que funcionam como uma ponte entre o mundo real e o digital. 

No contexto das Cidades Inteligentes, os gêmeos digitais conseguem representar virtualmente uma cidade, com realismo e dinamismo. Toda vez que o gêmeo físico (a cidade) muda algo, o gêmeo digital se atualiza. Com as informações coletadas, a ferramenta tambéé capaz de analisar esses dados e indicar soluções para os problemas encontrados. 

“Os gêmeos digitais são uma réplica viva da cidade, fornecendo para o gestor, o presente, o passado e o futuro do município. Nãé apenas uma maquete estática, mas sim uma réplica digital animada e realista, que possibilita a interatividade, através da realidade virtual, onde pode se ver, por exemplo, todo o fluxo e a dinâmica do trânsito da cidade. São inúmeras as possibilidades de aplicação dos gêmeos digitais para melhorar eficiência dos serviços públicos e a qualidade de vida dos cidadãos”, explicou Charles Stempniak, CEO da Automa Vision. 

A Automa Vision é uma startup criada no ano passado, com uma equipe que tem 30 anos de experiência em desenvolvimento de software de inteligência artificial. A empresa foi uma das seis selecionadas no Edital Smart Vitrine do Programa Vila A Inteligente. 

De acordo com Stempniak, os gêmeos digitais serão cada vez mais utilizados pelos gestores públicos e também pelas empresas. A ideia é, inicialmente, trabalhar um modelo para ajudar a melhorar a mobilidade do Bairro Itaipu A. O gêmeo digital será desenvolvido a partir de imagens aéreas e das câmeras de segurança disponíveis na região. 

“Já temos amostras de 60 câmeras de videomonitoramento instaladas no bairro. Nossa tecnologia consegue transformar as imagens dessas câmeras em uma realidade virtual animadasemelhante a de um videogame 3D, de imersão no Metaverso, mas com cenas e detalhes extraídos da realidade da Vila AOs veículos e as pessoas serão representados como avatares tridimensionais, com características semelhantes as das imagens captadas pelas câmeras, sem, no entanto, identificar os cidadãos individualmente. Será possível interagir com a maquete virtual a fim de criar simulações para apoiar políticas públicas, por exemplo, para o trânsito, segurança e defesa civil”, disse o CEO da Automa Vision. 

Segundo Charles, o sistema inteligente será capaz de detectar, interpretar e reproduzir os diferentes padrões de comportamento dos veículos e das pessoas no espaço público, visando a otimização da mobilidade e a melhoria da cidade como um todo. “Podemos simular mudanças físicas a partir desse sistema, que conta com dados, analíses precisas, antes, durante e depois de eventuais intervenções. Desse modo, as propostas para melhorias no bairro serão mais maduras e consistentes”, explicou. 

  

Inovação

Para Rafael Deitos, diretor técnico do PTI-BR, o Programa Vila A Inteligente tem grande potencial para atrair cada vez mais startups, empresas de tecnologia e investidores para Foz do Iguaçu, mas também deverá exportar sua expertise para outras regiões brasileiras. 

“Estamos abrindo o SandBox da Vila A para as startups testarem e validarem seus produtos e serviços. Até o final do ano, serão 6 empresas implementando aqui suas soluções. Ao mesmo tempo, estamos recebendo grande número de autoridades de outros municípios interessados na experiência que temos no Parque. Isso torna Foz do Iguaçu uma referência nacional em Cidades Inteligentes”, disse Deitos. 

  

Futuras aplicações

De acordo com Charles Stempniak, futuramente, há outras possíveis aplicações para os gêmeos digitais em Foz do Iguaçu, principalmente, nas áreas de segurança, turismo, comércio, planejamento, desenvolvimento urbano, meio ambiente e educação. 

“Os gêmeos digitais podem ser usados em escolas para as crianças criarem e experimentarem novas soluções para a cidade. É possível testar e simular ações e ver os seus efeitos práticos através da realidade virtual (Metaverso). Nas áreas de turismo e comércio, podemos utilizar para as pessoas encontrarem e interagirem mais facilmente com alguns serviços (pontos turísticos, bares, restaurantes, supermercados, barbearias etc). Nárea de segurançpública, podemos gerar e analisar os dados históricos para mapear acidentes e ocorrências policiais, antecipando e até evitando que ocorram novamente, além de poder ajudar na elucidação dessas ocorrências. O uso de inteligência artificial e da realidade virtual, pelos gestores da cidade, abre um universo de novas possibilidades e traz ferramentas práticas e poderosas, para as autoridades tomarem as melhores decisões em tempo hábil”, disse Charles Stempniak. 

FIciencias 2021 iniciou nesta segunda-feira com 99 trabalhos selecionados

A feira, evento tradicional na área científica em escolas, terá programação de cinco dias com projetos de estudantes que mostram muita criatividade e inovação 

 

Começou nesta segunda-feira, 08, a 10ª edição da Feira de Inovação das Ciências e Engenharias (FIciencias). O evento é um espaço para estudantes, do ensino fundamental e médio, apresentarem ideias criativas e inovadoras, em diversas áreas das ciências, e ocorrerá 100% online até a sexta-feira (12). 

Dos 99 projetos selecionados para a FIciencias 2021, 89 foram de trabalhos inscritos e mais 10 trabalhos vieram de feiras afiliadas. Esta edição contará com a presença de aproximadamente 300 participantes, entre professores e alunos, do Brasil e Paraguai. 

Na abertura da FIciencias, a professora Ana Paula Vidotti, representante do Comitê Gestor do FIciencias, enfatizou a importância dessa atividade. 

“Esse evento tem um impacto muito positivo na vida desses estudantes. São experiências que transformam a vida de muitos jovens, ajudando-os a definir suas carreiras. Além disso, é uma oportunidade de integração muito boa entre estudantes de dois países e de diversos estados brasileiros. Aprenderemos muito com esses trabalhos apresentados no decorrer da semana. Quero agradecer a Itaipu Binacional e ao Parque Tecnológico Itaipu – Brasil (PTI-BR) por manter a qualidade desse importante evento, mesmo em um período de pandemia”, disse a professora. 

 

Motivo de Orgulho 

De acordo com Andréa Pavei Schmoeller, coordenadora geral do FIciencias, a feira é sempre um motivo de orgulho para o PTI-BR, pois a cada edição aparecem mais exemplos dos frutos positivos gerados a partir desse incentivo. 

“Sempre temos grandes talentos aparecendo. Tenho dois casos, dentro de uma lista grande de exemplos: uma aluna tem participado das pesquisas sobre a Covid-19. Atualmente ela é aluna de Engenharia Biomédica, no Darthmouth College, em New Hampshire, nos Estados Unidos. Outro exemplo é de um ex-participante que atualmente trabalha na Apple e trabalhou no desenvolvimento do iPhone 12. São frutos do empenho que realizamos todos esses anos”, contou Schmoeller. 

O general Eduardo Garrido, diretor superintendente do PTI-BR, destacou o papel da FIciencias para o fomento do interesse nas ciências, no empreendedorismo e na construção de uma sociedade melhor. 

“Queremos um país forte e a base para isso é a educação, pois será ela que criará melhores oportunidades para todos. Nós, do Parque Tecnológico Itaipu, temos a missão de gerar inovação, através da ciência e da tecnologia, por isso, temos como uma de nossas principais metas o sucesso da FIciencias. Esse movimento nas escolas ajuda a despertar o interesse na ciência, na tecnologia e na inovação, através da metodologia hands-on, na qual acredito muito. Com todas as dificuldades nesse período de pandemia, 99 trabalhos serão apresentados essa semana e isso mostra que esses jovens se mobilizaram e encontraram alguma maneira de participar desse evento”, disse o general Eduardo Garrido. 

 

     

 

Programação e premiação 

De segunda a quinta-feira (08 a 11/11), a programação da FIciencias ocorrerá em dois blocos: na parte da manhã das 9h às 11h30 e a tarde das 15h às 17h30 pelo canal da FIciencias no youtube: https://youtube.com/c/FIcienciasFeira. E na sexta-feira (12), a partir das 16h, serão divulgados os projetos premiados. 

Ao longo dos cinco dias haverá ainda uma programação de palestras com especialistas em temas relacionados a inovação, tecnologia e empreendedorismo. Uma das novidades deste ano é que durante a feira serão apresentados diversos pontos turísticos de Foz do Iguaçu, com o intuito de estimular a participação presencial no próximo ano, quando o evento deverá voltar ao modelo híbrido (presencial e online). 

As apresentações dos trabalhos dos estudantes, em playlists por área do conhecimento, também poderão ser acompanhadas já a partir do primeiro dia do evento.  

Em todas as lives serão sorteados brindes para os participantes que ficarem até o final. Já a premiação para os 3 primeiros lugares gerais será em dinheiro. Mais uma novidade é a volta da premiação por aclamação popular que será feita no final da FIciencias, destacando os vídeos mais vistos e curtidos no canal do youtube. 

  

A FIciencias 

Realizada pelo Parque Tecnológico Itaipu – Brasil (PTI-BR) e pela Itaipu Binacional, em parceria com 6 universidades (Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Universidade Estadual de Londrina (UEL), Universidade Estadual de Maringá (UEM), Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO), Universidade Federal de Integração Latino-Americana (UNILA), a FIciencias vem se consolidando como um evento tradicional na área científica.  

Nas 9 edições anteriores, a FIciencias contou com 22.726 participantes de 1.289 escolas da Argentina, do Paraguai e do Brasil (Paraná e Santa Catarina). Este é o segundo ano consecutivo que a feira está sendo promovida virtualmente.  

Participam alunos do 8º ou 9º ano do ensino fundamental, ou do ensino médio e/ou da educação profissional técnica de nível médio das instituições públicas ou particulares, individualmente ou em grupos de, no máximo, três alunos por projeto. Todos os trabalhos contam com um orientador para auxiliar na condução das pesquisas. 

Este ano o evento conta com uma novidade: a participação de estudantes e professores das instituições parceiras, na I Mostra Universitária, que também está disponibilizada no nosso canal do Youtube.