Comitê de Assessoramento Estratégico realiza visita técnica ao PTI-BR 

Membros do comitê, que atua com tendências de desenvolvimento, ciência e mercado, puderam conhecer de perto o ecossistema inovador do Parque Tecnológico.

O Parque Tecnológico Itaipu – Brasil (PTI-BR), recebeu nesta quinta (02) e sexta-feira (03), a visita técnica do Comitê de Assessoramento Estratégico (CAE). O comitê é um importante instrumento de colaboração nas diretrizes estratégicas da instituição voltadas para pesquisa, desenvolvimento e inovação. Os trabalhos são direcionados com base nas quatro temáticas de atuação: Energia, Segurança de Infraestruturas Críticas, Agronegócio, Turismo e Cidades. 

Durante a reunião plenária ordinária​, realizada no primeiro dia da visita, foram apresentadas as contribuições elencadas pelo CAE, todas voltadas para a aceleração dos projetos, expansão do ecossistema, inovação tecnológica e foco para o mercado. Essa foi a primeira vez que o grupo se reuniu de forma presencial desde que o comitê iniciou suas atividades, em fevereiro deste ano. Os membros foram recebidos pelo diretor superintendente do PTI-BR, general Eduardo Garrido, diretor administrativo-financeiro, Flaviano Masnik e pelo diretor técnico Rafael Deitos.  

Desenvolvimento e inovação 

O diretor superintendente, general Eduardo Garrido, apresentou uma visão geral da atuação do PTI com os principais projetos em andamento e também destacou a importância do Comitê de Assessoramento Estratégico. “O Parque Tecnológico Itaipu, buscando criar condições para alcançar a sustentabilidade e, principalmente, para a promoção de soluções tecnológicas, o desenvolvimento de novos produtos, serviços, bem como, a expansão do ecossistema de inovação, estruturou o Comitê de Assessoramento Estratégico (CAE). Formado por profissionais que possuem expertises nas quatro temáticas de atuação, o comitê tem desenvolvido um papel importante para o alcance desses objetivos”, afirmou Garrido. 

Visita aos projetos 

No segundo dia da visita, o comitê pôde conhecer de perto os projetos implementados, as ações em andamento e os resultados das equipes técnicas. O grupo visitou o Laboratório Vivo de Cidades Inteligentes, além dos Centros de Tecnologias Abertas e IoT, Inteligência Territorial e Ciência e Educação. Já no CDT, a comitiva passou pelo Centros de Estrutura de Barragens, Segurança Cibernética, Automação e Simulação de Sistemas Elétricos e Energias Renováveis, encerrando a visita na planta de hidrogênio. 

 

Para o presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Thiago Barral, participar do Comitê de Assessoramento Estratégico, conversar e discutir, (primeiramente de forma virtual ao longo do ano e agora, com a oportunidade de participar presencialmente), tem gerado várias ideias e trocas de experiências. “A EPE tem características e expertises que são muito complementares e sinérgicas ao PTI. Tem sido uma oportunidade não só de conhecer, mas de contribuir para que o Parque Tecnológico possa alcançar cada vez mais os objetivos”, ressaltou. “É impressionante ver que o país dispõe de um centro como esse, com pesquisa de qualidade”, complementou.  

O secretário geral da Agência Nacional de Águas (ANA) Rogério de Abreu Menescal, relembrou que já acompanhava, desde 2018, o trabalho desenvolvido pelo PTI na área de Segurança e Estruturas de Barragens e agora, com a participação no Comitê de Assessoramento Estratégico, está tendo a oportunidade de ter uma visão completa do Parque Tecnológico. “São muitos trabalhos de ponta e de tecnologia que tem todas as condições de serem replicados não só na região, como no Brasil como um todo”, destacou. 

Composição do CAE  

O CAE é formado por oito integrantes externos e dois colaboradores do Parque Tecnológico, o que permite que sejam consideradas as experiências e panoramas de diferentes setores. 

Fazem parte do comitê: Clédio Roberto Marshall (representante da  Cooperativa​ Lar), Cristiane Collet Battiston (representante do Ministério do Desenvolvimento Regional​), Fernando Neiva Carvalho Dilly (consultor​), Francisco Carlos Krzyzanowski (representante da Embrapa​), Maurício Lisboa (representante da CEPEL​), Rogério de Abreu Menescal (representante da Agência Nacional de Águas​), Thiago Vasconcellos Barral Ferreira (representante da Empresa de Pesquisa Energética – EPE) e William França Cordeiro (representante da Câmara dos Deputados). Representando o PTI-BR, os colaboradores Miguel Diogenes Matrakas (coordenador do CAE) e Nelinho Davi Graef (secretário do CAE).  

Prospectando negócios: Parque Tecnológico Itaipu – Brasil participa do Festival das Cataratas com objetivo de fechar parcerias

Junto com incubadas, equipe do PTI-BR têm feito reuniões e rodas de conversa sobre inovação aberta e atualização tecnológica de mercado.  

A participação do Parque Tecnológico Itaipu no Festival de Turismo das Cataratas, que está acontecendo entre os dias 01 e 03 de dezembro, tem por objetivo apresentar a instituição como agente promotor da inovação para o setor de turismo e demonstrar como se faz possível ajudar novos e já tradicionais empreendimentos a diversificarem seus negócios, através da Inovação Aberta. 

Para o general Eduardo Garrido, diretor superintendente do PTI-Brasil, o Festival Cataratas é muito representativo, sendo uma vitrine de cultura e inovação. “Aqui, além de  vivenciar a rica cultura de outros atrativos, também temos a oportunidade de mostrar conhecimentos e soluções para melhorar a experiência de viagem das pessoas e como conectar com a cultura de cada destino”, enfatizou. 

Para tanto, o Parque tem utilizado a metodologia mais eficiente: entender a empresa e suas dores, conversar sobre competitividade no mercado, canalizar investimentos certeiros e desenvolver soluções. Atualmente, o PTI conta com cases de sucesso na área de inovação aberta voltados ao turismo. Um bom exemplo é o case do Ecomuseu, ligado ao Turismo Itaipu, que têm passado por um processo de digitalização e gamificação. 

O Parque Tecnológico também participou do evento com uma palestra sobre “Mecanismos para desenvolvimento de cidades inteligentes que consigam congregar empresas, academia, setor público e investidores”, abordando o case do primeiro e maior Sandbox do Brasil, o Programa Vila A Inteligente, trazendo as experiências e desafios do PTI ao instalar e operar o ambiente. A palestra foi ministrada pelo analista de negócios do PTI-BR, Rafael Campos, que também participou de uma roda de conversa sobre inovação aberta, explicando o conceito e aplicações. 

Outra frente do Parque na Feira têm sido conectar necessidades de mercado com as startups e tecnologias disponíveis em seu ecossistema. “Uma de nossas incubadas, a FastGet, está presente no Festival de Turismo, e realizou inúmeras interações se conectando com os principais players locais e nacionalmente”, comenta Wilmar Ribeiro Junior, analista de negócios do PTI-BR, que destaca as reuniões da incubada com o Sindhoteis, Abrasel, Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação, e o Grupo Capitão, tradicionalmente conhecido em Foz do Iguaçu. 

Mas o que a FastGet oferece? 

A empresa realiza a transformação digital de bares e restaurantes ao oferecer um cardápio digital moderno, de qualidade, com produtos, especificações e fotos. A ideia principal é receber pedidos sem taxa de comissão e aumentar o faturamento, proposta ideal para hotéis e estabelecimentos alimentícios.  

Festival de Turismo das Cataratas  

Realizado, anualmente, em Foz do Iguaçu, o Festival das Cataratas já se consolidou como um dos eventos de turismo mais importantes do Brasil e da América Latina, e tem seu foco voltado para o desenvolvimento do turismo, da economia, do conhecimento técnico-científico e do meio ambiente, além da geração de ideias, oportunidades de negócios, troca de experiências e soluções sustentáveis. O Festival das Cataratas é um evento que conecta destinos, empresas e profissionais do turismo. Conecta inovação, tecnologia e redes sustentáveis. E o mais importante: conecta pessoas.