Programa Vila A Inteligente informa

O Parque Tecnológico Itaipu informa que nesta sexta-feira, 22 de abril, foi identificado o furto dos cabos de energia do totem da startup IceHot, localizado na Avenida Araucária. As autoridades policiais já foram acionadas.

A equipe técnica da empresa e do PTI-BR estão trabalhando para que o equipamento retorne ao seu pleno funcionamento. Devido às recentes chuvas, estima-se que os reparos sejam realizados no decorrer dos próximos dias.

O Comitê Gestor do Programa Vila A Inteligente coloca-se à disposição da população iguaçuense para eventuais dúvidas.

Solução ambiental desenvolvida pelo PTI-BR traz eficiência operacional à Itaipu

Agilidade e assertividade são benefícios oferecidos pelo Sistema de Monitoramento Ambiental (SIMA) desenvolvido pelo PTI e já utilizado pela hidrelétrica há mais de 3 anos; solução pode ser aplicada ao agronegócio. 

Um sistema criado para aprimorar o processo de coleta de dados das estações climáticas, passou a ser essencial para o trabalho da Diretoria de Coordenação da Itaipu Binacional. A partir do Sistema de Monitoramento Ambiental (SIMA), é possível compilar informações meteorológicas, sobre a qualidade da água do reservatório, águas subterrâneas, e sedimentos; tudo de forma automatizada.  

Agora, os técnicos encontram, de forma unificada, todos os dados ambientais monitorados pela Itaipu Binacional, que mantém um histórico ambiental desde 1977. Para a bióloga da Divisão de Reservatório da Itaipu Binacional, Simone Friderigi Benassi, que usa diariamente o SIMA, o trabalho que era feito durante semanas, passou a obter agilidade antes desconhecida.  

“Todas as informações que ali estão compiladas, antes eram planilhadas manualmente, para posteriormente serem transformadas em gráficos. Com o SIMA, além das informações já estarem todas dispostas em um mesmo dashboard, não precisamos mais gerar gráficos, o próprio sistema gera”, comenta a bióloga. Com a implementação do Sistema, os dados foram automatizados e passaram a compor um banco de dados unificado. 

O SIMA, desenvolvido pelo Parque Tecnológico Itaipu por meio de convênio junto à Superintendência de Informática da Itaipu, surgiu a partir da necessidade de facilitar a coleta dos dados das estações climáticas, para a qual muitas vezes era necessário o deslocamento de um técnico ao local.  

Segundo o diretor técnico do PTI, Rafael Deitos, enquanto Instituição de Ciência e Tecnologia (ICT), o propósito do PTI é justamente criar soluções inovadoras que agreguem valor para o cliente. “Dentro do nosso objetivo estratégico de atender demandas da Mantenedora (Itaipu), criamos o SIMA, e é gratificante ver a solução sendo utilizada no dia a dia de usina, pois concretiza nosso propósito”.  

As estações climáticas são capazes de monitorar cerca de 40 variáveis, que incluem temperatura, umidade, volume de chuva e direção do vento. Já em relação à qualidade da água, as estações e amostras coletadas fornecem informações como temperatura, pH (acidez), partículas em suspensão, entre outras características em diferentes profundidades que tornam possível um acompanhamento detalhado das águas do Lago de Itaipu.  

O SIMA segue em constante atualização. Uma das mais recentes funcionalidades, torna possível selecionar informações por bacia hidrográfica, possibilitando entender variações em determinados parâmetros.  

Atualmente, o SIMA também identifica informações biológicas da cadeia atrófica do Lago. Simone explica que antes do SIMA era inviável identificar estas informações por conta do volume de dados em diferentes níveis taxonômicos. “Agora eu posso, por exemplo, avaliar as algas que existem no reservatório, por espécie, gênero, ordem, família e filo, resultado assim em estudos mais assertivos e maior qualidade da água”, comenta a bióloga. 

O superintendente de informática da Itaipu, Everton Pasqual, ressalta que “A missão da Superintendência de Informática é justamente a de prover soluções de TI com excelência e inovação que proporcionem a melhoria da gestão para as áreas de negócio. Fizemos isso bem por meio do SIMA, e para isso contamos com a parceria que temos com o Parque Tecnológico Itaipu Brasil, por meio do convênio.” 

Para conhecer mais sobre as soluções do Parque Tecnológico Itaipu, clique aqui.

Último dia para inscrever-se no Programa de Inovação em Hidrogênio Verde

Entusiastas e curiosos são bem-vindos para desenvolverem pesquisas sobre a área de energias, especificamente sobre hidrogênio; inscrições terminam em 22 de abril.  

O primeiro ciclo de inscrições para o Programa de Inovação em Hidrogênio Verde iH2Brasil, finaliza nesta sexta-feira, 22. O Programa tem como objetivo fortalecer o ecossistema brasileiro de Pesquisa, Desenvolvimento & Inovação, por meio do apoio a soluções para toda cadeia produtiva de Hidrogênio Verde. O projeto é uma realização da Aliança Brasil-Alemanha para o Hidrogênio Verde, com execução do Parque Tecnológico Itaipu e CIBiogás. 

Cada ciclo é composto pela fase de: sensibilização de entusiastas à inovação aberta na cadeia do H2V; seleção de projetos; capacitação dos selecionados; aceleração das melhores propostas de inovação. Assim, devem ser desenvolvidas soluções para a geração, distribuição e aplicação do Hidrogênio Verde no Brasil. O programa é previsto até o final de 2023. A partir disso, o ecossistema brasileiro de Pesquisa, Desenvolvimento, Inovação e Empreendedorismo passa a contribuir para o desenvolvimento do Hidrogênio Verde no Brasil.   

Para o diretor superintendente do PTI-BR, general Eduardo Garrido, “com essa parceria passamos a fazer parte do corpo técnico de desenvolvimento de novas soluções tecnológicas, produtos, serviços e processos, na área de Hidrogênio Verde”. 

“O CIBiogás busca o desenvolvimento da cadeia produtiva da bioenergia no Brasil. Entendemos que esta chamada é uma oportunidade para que o pPaís construa capacidades de se destacar no mercado de hidrogênio. Nós queremos incentivar a inscrição de empresas, pesquisadores e interessados que possam aproveitar essa chance para desenvolver novas tecnologias”, afirma Rafael González, diretor-presidente do CIBiogás. 

A Aliança Brasil-Alemanha propõe o desenvolvimento de novas soluções com potencial para revolucionar o mercado do hHidrogênio vVerde. A afirmação é do gerente de Inovação e Sustentabilidade da AHK Rio, Ansgar Pinkowski. “O iH2Brasil traz esta grande oportunidade para pesquisadores, mas também para toda e qualquer pessoa que tenha interesse em ingressar ou se desenvolver neste novo mercado de energia no Brasil.” 

Quem pode participar? 

Por meio de um programa de ideação, o entusiasta irá passar por uma jornada para que ideias possam se tornar negócios, através de uma metodologia dinâmica e muita mão na massa em grupo. Os participantes trabalharão focados em aprofundar seu entendimento sobre os problemas reais, para depois desenvolver soluções inovadoras para estes desafios. 

Startups também podem se inscrever. A categoria Startups tem como objetivo específico alavancar negócios inovadores e promover a inovação aberta por meio do desenvolvimento de projetos-piloto entre startups e empresas já estabelecidas. Com isso, 12 startups serão beneficiadas na primeira edição. 

As inscrições podem ser feitas clicando aqui. Para mais informações, acesse o regulamento de todas as categorias ou envie um e-mail para ih2brasil@ahk.com.br

Programa de Inovação em Hidrogênio Verde 

O programa é uma realização da Aliança Brasil-Alemanha para Hidrogênio Verde, formada pelas Câmaras de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha de São Paulo e do Rio de Janeiro, com apoio da Cooperação Brasil-Alemanha por meio da Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH e do Ministério de Minas e Energia (MME). 

Conheça mais sobre hidrogênio verde nesta série!