Clube Maker de férias está com inscrições abertas

Clube Maker

Quer aprender brincando? Então vem para o Clube Maker. O evento acontecerá dos dias 17 a 26 de janeiro para crianças de 8 a 15 anos de idade. 

 

As férias escolares já começaram e nada de deixar as crianças em casa. Pensando nisso, o Clube Maker do PTI-BR  já está com as inscrições abertas, e serão quase duas semanas de atividades e muita diversão!

Podem participar crianças de 8 a 15 anos de idade, e as atividades vão de 17 a 26 de janeiro de 2023. As oficinas envolvem atividades educativas, recreativas e culturais, que proporcionam tranquilidade, comodidade e segurança aos pais.

As atividades são baseadas na Cultura Maker do hands on, onde os participantes colocam literalmente a mão na massa, proporcionando o desenvolvimento de habilidades como a autonomia, criatividade, raciocínio lógico e colaboratividade. Tudo isso acontece num espaço inovador e único da região, o Labmaker Iguaçu, localizado no Parque Tecnológico Itaipu Brasil.

 

clube maker ferias

 

Entre os dias 17 e 19 de janeiro, acontecerão as oficinas para as crianças de 08 a 11 anos, e dos dias 24 a 26, as atividades são destinadas a adolescentes de 12 a 15 anos. Entre as oficinas, os participantes terão a oportunidade de conhecer o Labmaker Iguaçu, produzir brinquedos na cortadora a laser, imprimir na impressora 3D, construir circuitos elétricos e conhecer mais sobre cidades inteligentes.

Estará incluso transporte da barreira até o PTI, almoço, lanche nos intervalos das oficinas, certificado de participação e todos os materiais produzidos pelos participantes poderão ser levados para casa. Além disso, os pais poderão acompanhar as atividades por ferramenta digital.

Faça sua inscrição agora e conheça muito mais: Clube Maker 

214d948f d16e 42b9 86b6 85cf90c89515 d003c0b8 66ce 49fe 90f3 5e17db83a636 thumbnail

 

Conexão Foz-Recife: PTI-BR e Porto Digital fortalecem importante parceria para cooperação em projetos de inovação

PTI-BR

Com ampla experiência com ecossistemas inovadores, as instituições devem estreitar relações para a organização de eventos, capacitações, além de potencializar programas de inovação aberta.  

 

As ações conjuntas entre o Parque Tecnológico Itaipu – Brasil (PTI-BR) e o Porto Digital, um dos mais importantes ambientes de inovação do Brasil, com sede em Recife (PE), devem movimentar o cenário do empreendedorismo inovador e o desenvolvimento de soluções para o mercado. Um protocolo de intenções, assinado em outubro deste ano, formalizou o histórico de iniciativas colaborativas entre os parques tecnológicos. Já nos próximos dias, representantes de ambas as partes devem se reunir para definir estratégias de atuação para 2023.  

São mais de 3 mil quilômetros que separam os ecossistemas de inovação da Terra das Cataratas e do Centro Histórico do Recife, ainda assim, a conectividade entre as instituições é antiga e já trouxe bons resultados. Entre muitas participações em eventos, painéis de discussões e trocas de conhecimentos, o vínculo se fortalece, também, em práticas de benchmarking – especialmente em editais de fomento e inovação aberta. Ainda nesse contexto, profissionais do PTI-BR já integraram bancas avaliadoras em editais de aceleração de startups do Porto Digital e vice-versa.  

Para o diretor de negócios e inovação do PTI-BR, Rodrigo Régis, o objetivo da cooperação é facilitar o acesso às ações desenvolvidas pelos parceiros, conectando demandas do mercado e soluções desenvolvidas para cada necessidade.  

Já o superintendente de inovação aberta do Porto Digital, Fellipe Sabat, destacou a importância de integrar as regiões nordeste e sul em prol do desenvolvimento.  

“Esperamos que o PTI-BR seja a ponte para nosso ecossistema local expandir fortemente os negócios, parcerias e o desenvolvimento tecnológico em conjunto na região sul. Em contrapartida, podemos desempenhar o mesmo papel aqui na região nordeste. Estamos com uma expectativa muito boa para o futuro”, finalizou Sabat. 

 

Um parceiro de peso  

O Porto Digital é um dos principais parques tecnológicos e ambientes de inovação do Brasil e é um dos representantes da nova economia do Estado de Pernambuco. Instalado na área central do Recife, sua atuação se dá nos eixos de produção de software e serviços de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC), Economia Criativa, além do foco no futuro das cidades por meio de prototipação com base em fabricação digital e internet das coisas (IoT). 

Na sua fundação, o parque tecnológico era formado por apenas três empresas e 46 pessoas. Atualmente, o Porto Digital abriga mais de 350 empresas, organizações de fomento e órgãos de Governo, com 14,7 mil profissionais e empreendedores. Esses empreendimentos geraram um faturamento anual de mais de R$ 3,67 bilhões em 2021 e já é considerado o terceiro maior setor de serviços na capital pernambucana. 

 

PTI-BR e Itaipu Binacional comemoram dia Nacional da Onça-Pintada na Escola Municipal Padre Luigi

dia da onca

A ação ocorreu no dia (1) deste mês, e contou com várias oficinas de conscientização sobre a importância da conservação e preservação da biodiversidade. 

 

A iniciativa educacional em comemoração ao Dia Nacional da Onça-pintada, que é considerada símbolo da fauna brasileira e da conservação da biodiversidade, é uma parceria do Parque Tecnológico Itaipu (PTI-BR) com a Itaipu Binacional através do Convênio Educação Ambiental, Ciência e Sustentabilidade II. 

A ação aconteceu na Escola Municipal Padre Luigi Salvucci, localizada na Vila C, e tem como objetivo principal sensibilizar os alunos e mostrar de forma lúdica a importância da conservação desse animal para a biodiversidade. 

Através de uma exposição interativa e divertida, proporcionada a cerca de 400 estudantes do ensino fundamental I, os participantes conheceram um pouco mais sobre as características físicas da onça-pintada, a importância do seu papel ecológico para a conservação da natureza e como podemos, de forma prática, contribuir para que deixe de ser uma espécie vulnerável, conforme a classificação da União Internacional para Conservação da Natureza e IBAMA. 

Segundo a coordenadora pedagógica, Vera Lúcia Bueno, projetos e parcerias como esses, são de extrema importância, “as atividades são essenciais de serem mostradas na prática, pois os alunos interagem com muito mais entusiasmos e curiosidades”. 

Essa ação faz parte da agenda ambiental do convênio, sendo uma forma de fortalecer o vínculo com a comunidade e também de informar e divulgar as temáticas socioambientais junto ao entorno dos espaços educadores da Itaipu Binacional. 

“O evento contou com a colaboração e parceria da União Dinâmica de Faculdades Cataratas – UDC Vila A, e o Parque Nacional do Iguaçu (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade – ICMBio) com a disponibilização de materiais” destacou Janaina Matinc Claro, assistente educacional do PTI-BR. 

 

29 de novembro 

Considerado o maior felino das américas, a onça-pintada, tem sua maior população no Brasil, é símbolo da conservação da biodiversidade brasileira. 

Na Mata Atlântica é onde essa espécie corre o maior risco de extinção devido a perda de habitat natural, principalmente pela caça. Dona da mordida mais potente entre os felinos, a espécie é capaz de escalar e viver no alto das arvores. 

Dessa forma, com o objetivo de incentivar as reflexões sobre a conservação desse importante mamífero, o Ministério do Meio Ambiente instituiu o Dia Nacional da Onça-pintada, celebrado desde 2018 em 29 de novembro. 

Dia da onçaDia da onça

Dia da onça

PTI-BR desenvolve dashboard para monitoramento epidemiológico

Dashboard

 

O objetivo é monitorar as análises de águas residuais, gerados pelo projeto Remonar, para auxiliar no monitoramento da covid-19. 

 

A equipe do centro de competências TA.DT- Tecnologias Abertas e IoT do Parque Tecnológico Itaipu – Brasil (PTI-BR), desenvolveu um dashboard para contribuir com o monitoramento da covid-19. O painel possibilita o monitoramento dos dados epidemiológicos, de esgoto sanitário, por meio de análise de águas residuais, gerados pelo projeto Remonar, que é uma parceria com a Universidade Federal do ABC. 

O objetivo do projeto é utilizar o dashboard como uma vitrine de resultados, sendo possível ampliar as medidas em prevenção e contribuir com órgãos de saúde pública no combate a covid-19. 

O painel foi construído utilizando a ferramenta Power BI, onde se pode implementar a etapa de tratamento de dados na Power Query. Contaram ainda com o suporte da equipe de UX/UI e Design durante as reuniões de alinhamento para o desenvolvimento de um layout que pudesse ser facilmente integrado ao site do projeto. 

A demanda atendida pela equipe de Analytics do Tecnologias Abertas e IoT, utilizou as ferramentas de BI da Microsoft (Power BI e Power Query), “foi um desafio no início, mas fiquei bastante satisfeita com o resultado que obtivemos, porque além do desenvolvimento também aplicamos um treinamento aos bolsistas demandantes. Hoje, já podemos observar que a equipe demandante acrescentou novas abas de visualizações e conseguiram incluir novos dados, o que valida as entregas da equipe” destacou a instrutora Thays Resende Achucarro. 

Segundo o desenvolvedor Gabriel Belo Dias, foi uma experiência incrível atuar no projeto Remonar, “foi possível aplicar nossos conhecimentos em uma nova ferramenta e uma base de dados que não é tão usual, estou muito feliz com a entrega do resultado final”, relatou. 

 

Criação do dashboard 

 

Com as extrações e visualizações de dados, a equipe de Analytics do centro TA.DT tem como objetivo principal orientar os usuários a extrair o real valor dos seus dados, produzindo as informações valiosas de artefatos que apresentam dados padronizados, de forma a permitir a identificação de padrões e tendências. 

Promoveram os treinamentos a fim de capacitar as equipes e usuários para que possam, de forma independente, aplicar na prática os dados e realizar tarefas de análise e visualização de dados.  

Segundo o professor Matheus Ribeiro Augusto da UFABC, foi fundamental a participação e a criação do dashboard para a divulgação dos dados adquiridos no projeto. “Estes dados são muitos úteis para as secretarias de saúde e vigilância epidemiológica, para concluir os dados clínicos, além de agregar informações dos diversos grupos participantes do projeto, facilitando o trabalho em rede”, relatou. 

Concluiu explicando a importância do dashboard para facilitar a visualização geral e a interpretação das referências, permitindo que os participantes do projeto e a população em geral, tenha acesso de forma rápida e clara sobre a presença viral nos esgotos das regiões monitoradas.  

“O dashboard passou a ser uma ferramenta central no nosso projeto, e isso contribui diretamente para a tomada de decisões das autoridades, com informações claras sobre aumento e diminuição da presença viral nessas regiões, finalizou. 

 

Sobre o projeto Remonar 

 

O projeto é uma parceria com a UFABC, juntos fazem o monitoramento epidemiológico, por meio de amostras de águas residuais (esgoto sanitário). Com início em junho de 2020 em plena pandemia, o projeto foi proposto para atender as necessidades de rastrear e antecipar a propagação da infecção por covid-19. 

As análises de águas residuais, são usadas para detectar precocemente a covid-19 em uma comunidade. O vírus pode ser detectado nas fezes, logo após serem infectados ou mesmo antes de apresentarem os sintomas. Ao testar as águas residuais, é possível medir a quantidade do vírus e identificar se os níveis estão aumentando ou diminuindo. Sendo um alerta precoce do aumento de casos. 

Ao chegar nos laboratórios, as amostras são analisadas através das técnicas de Biologia molecular para identificar a presença e variante do SARS-CoV-2 (vírus que causa covid-19). 

O monitoramento não substitui os testes tradicionais, mas pode fornecer uma visão mais ampla da covid-19. Com os testes e monitoramento, as autoridades locais de saúde pública podem usar essas informações para tomar as decisões necessárias para ajudar a retardar a propagação da doença em suas comunidades.  

Empresas do setor elétrico realizam testes na plataforma RTDS do Parque Tecnológico Itaipu

RTDS

Plataforma de simulação RTDS do Parque Tecnológico Itaipu – Brasil (PTI-BR) é a segunda maior da América Latina. 

 

As empresas GI Energy e Chesf estão realizando uma série de testes no Parque Tecnológico Itaipu – Brasil (PTI-BR) utilizando o RTDS (Real Time Digital Simulator), uma plataforma digital de simulação de sistemas elétricos em tempo real. 

A GI Energy atua na prestação de serviços de construção, montagem de subestações e linhas de transmissão de alta-tensão nos setores de energia (geração, transmissão, distribuição) e na indústria. A Chesf (Companhia Hidrelétrica do São Francisco) é concessionária de um dos maiores sistemas de geração e transmissão de energia elétrica do Brasil, especialmente na região nordeste do Brasil.  

As empresas buscaram o PTI-BR para desenvolvimento do Serviço Técnico Tecnológico (STT) para testes com a plataforma RTDS no sistema de proteção de barras da Subestação Campina Grande III, que é composto por 25 bay units e uma unidade central.  

De acordo com o engenheiro do Centro de Gestão Energética (GE.DT) do PTI-BR, Guilherme Justino explicou que “O objetivo da utilização da plataforma RTDS é colocar o sistema de proteção nas mesmas condições que ele estará submetido quando instalado em campo e, assim, realizar diversas perturbações como curtos-circuitos e verificar o desempenho do sistema de proteção”. 

 

Segundo maior da América Latina 

A infraestrutura de simulação do PTI recebeu, no ano passado, uma atualização por meio de um convênio com a Itaipu Binacional. Após o upgrade, o PTI-BR não só expandiu de forma significativa a capacidade da instalação original do simulador como o equipamento também passou a ser o segundo maior da América Latina.  

A atualização, além de permitir maior capacidade de processamento e uma representatividade mais fiel dos sistemas modelados, dando mais confiança aos resultados dos testes realizados, também possibilitou a ampliação do atendimento de demandas realizadas as demais empresas do setor elétrico. “A execução do STT com GI Energy e Chesf só foi possível devido a essa expansão. Com a nova plataforma de simulação o PTI-BR tem uma capacidade de executar novos ensaios, os quais demandam a validação de uma grande quantidade de equipamentos”, contou Guilherme. 

 

Expertise 

Um dos diferenciais que o Parque Tecnológico conta é a experiência e expertise da equipe, somada a infraestrutura e capacidade do RTDS. Segundo o gestor do GE, Tales Jahn, o desenvolvimento de todas as etapas do serviço é realizada sempre em conjunto com o cliente. “Durante os testes em laboratório, o centro oferece todo o suporte para a conexão dos equipamentos ao RTDS e executa os testes previstos conforme a solicitação. As etapas de delimitação de escopo, desenvolvimento do modelo, e definição da lista de eventos, são sempre apresentadas e definidas em conjunto com nossos clientes”, destacou.  

 

7 Digital Tech comemora parceria de sucesso no projeto PIUE

914c15e8 9231 4b4f a9a1 720703612575

Projeto é uma parceria entre o Parque Tecnológico Itaipu (PTI-BR), Itaipu Binacional, Sebrae, empresas e universidades da região. 

 

Beneficiando cerca de 200 alunos a ingressarem no mercado de trabalho, o Programa Integração Universidade e Empresa (PIUE) encerra sua 4ª edição. Uma parceria entre Parque Tecnológico Itaipu (PTI-BR), Itaipu Binacional, Sebrae, empresas e universidades da região. 

Participante da quarta edição do Programa, a 7 Digital Tech Soluções Digitais comemora parceria com o Parque Tecnológico Itaipu, com programação voltada para a criação de soluções inovadoras, a fim de revolucionar o dia a dia do agronegócio. 

A empresa iniciou suas atividades em 2018 com grande experiência na criação e desenvolvimento de soluções digitais para empresas, proporcionando serviços personalizados com os melhores resultados e as melhores práticas do mercado digital. Especializada no desenvolvimento WordPress e Woocomerce, com sites institucionais, e-commerce e ferramentas multiprocessos como Gmetrix. 

 

Projeto Avetools 

 

O projeto contou com dois bolsistas do curso de engenharia de software, que estruturaram um banco de dados, definindo sensores e gateways (portais de comunicação) que serão utilizados em granjas, testando a ferramenta para medir amônia, em ambiente alinhado com a Coopavel. E trabalharam no envio das informações obtidas para a nuvem, por meio de API (Application Programming Interface) e Rapberry (“mini-computador”). 

Segundo a CEO da 7 Digital Tech Soluções Digitais, Rosemeire Silva Bueno de Lima, o projeto foi pensado para sanar os principais problemas de manejo em aves de corte. “O dispositivo tem função de auxiliar o produtor a incentivar o consumo de água das aves para o esvaziamento do trato intestinal no pré-abate e o manejo durante os dias alojados aumentando a conversão”, afirmou. 

Através do dispositivo de IOT, são capturados dados sensíveis da ambiência (temperatura, umidade do ar, concentração de amônia, consumo de água, consumo de ração/conversão e atividade na granja) que são enviados para rede, conectando produtor, técnico e indústria. 

De acordo com o bolsista, Leonardo Feliciano, a importância e objetivo do projeto é, além de captar os dados, mudar padrões do mercado de aviários de como conhecemos hoje. “Tem me proporcionado inúmeros momentos que eu não esperava. Tenho aprendido muito rapidamente, o que me fez estar muito mais adiantado do que a grade curricular da faculdade em si. É um mundo totalmente diferente, no qual é possível juntar o aprendizado à experiência”, disse. 

 

 

PTI-BR ENCERRA 4ª EDIÇÃO DO PROGRAMA INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE EMPRESA

PIUE

Com o objetivo de fortalecer o ecossistema de inovação da região o programa celebra mais um case de sucesso 

 

O Programa de Integração Universidade Empresa (PIUE) encerra sua 4º edição, expandindo a economia da região do oeste do Paraná. O Programa é resultado de uma parceria entre Parque Tecnológico Itaipu (PTI-BR), Itaipu Binacional, Sebrae, empresas e universidades da região. 

Parceira do projeto PIUE, a Embio – Empresa de Biotecnologia é uma empresa totalmente familiar, onde o empreendedorismo corre nas veias. Localizada na cidade de Marechal Cândido Rondon, oeste do Paraná, a Embio está no mercado desde 2017, atuando no setor do agronegócio. 

A empresa nasceu, oficialmente, quando participou do programa de incubação do Parque Tecnológico Itaipu – Brasil (PTI-BR), se tornando uma empresa incubada. A Embio dedica-se aos tratamentos de dejetos suínos, desenvolvendo produtos e equipamentos para atender produtores rurais e agroindústrias.  

A empresa conta também com uma linha de fertilizantes e adjuvantes, que busca aumentar a produtividade das culturas e a rentabilidade das propriedades e reduzir o mau cheiro gerado pelas composteiras, reduzir os vetores e agregar valor na aplicação dos dejetos animais no solo. 

Na lista de suínos, a Embio conta com soluções voltadas para a melhoria da sanidade animal dentro das baias, por meio da redução de gases, como a amônia, e larvas de moscas dentro das granjas. 

 

Projeto na prática 

 

Capacitando estudantes, o projeto PIUE traz a oportunidade de os alunos ingressarem no mercado de trabalho e se qualificarem profissionalmente. 

O programa é muito importante em diversos aspectos garante a interação com a universidade, com os alunos e professores, uma troca de experiências que gera aprendizados para ambas as partes. 

A empresa conta com a experiência dos professores, os quais são profissionais da área e que auxiliaram no planejamento, na condução do experimento e no tratamento dos dados. 

Segundo a gestora de projetos e responsável técnica da Embio, Patricia Schumacher Teixeira, o projeto desenvolvido é uma parceria com a Universidade Estadual do Oeste do Paraná, trouxe respostas para o setor de pesquisa e desenvolvimento da empresa. “Entre os principais resultados foi possível perceber a melhoria da qualidade da ambiência dos animais, diminuindo os valores de gás amônia, quando comparado com baias onde os aditivos não foram aplicados”, explicou. Ela complementa dizendo que foi possível também perceber uma melhora na saúde dos suínos. 

Para o aluno da Unioeste e bolsista, Yasser Strelow Katbeh, participar do projeto trouxe muito aprendizado e comprometimento. “Me mostrou a importância de um experimento a nível comercial e a importância da parceria da universidade com empresa. Através dos experimentos, pude ver na prática a utilização dos produtos, e o resultados”, conclui agradecido. 

 

 

19° edição do Latinoware contou com palestra de Automobilismo em Negócios

Latinoware

Davi Galhardo, técnico em informática, se apresentou nesta segunda-feira (02), com palestra de automobilismo em negócios com tecnologias livres. 

 

Técnico de informática e apaixonado pelo automobilismo, se apresentou no Latinoware com o tema “negócios com tecnologias livres – automobilismo”. 

Davi Galhardo falou sobre o avanço da injeção eletrônica, uma tecnologia dominante mundialmente, que pode ser livre para aplicar até mesmo em carrinhos de supermercado. As possibilidades são infinitas e podem ajudar uma comunidade gigantesca de pessoas do ramo de placas de prototipagem e injeção eletrônica. 

Através da injeção e ignição eletrônica programável para motores (speeduino), é possível fazer a exposição de alguns carros que já estão funcionando com essa tecnologia toda gerenciada por uma placa de prototipagem eletrônica. 

 

Projeto em ação 

Davi descreve que o projeto é focado na automação e injeção eletrônica de veículos clássicos, trabalhando em um protocolo MQTT (Message Queuing Telemetry Transport) e controle total do veículo. 

“No carro foi feita uma alteração no módulo original: é retirado o módulo e colocado uma combinação de injeção eletrônica com ignição, que é baseada em uma placa de prototipagem eletrônica (arduíno – basicamente, um minicomputador que pode ser utilizado para várias funções). Essa injeção eletrônica vai controlar toda a parte interna do carro, ignição, sensores, e tudo mais”. Em paralelo “coloquei um módulo guiado por bluetooth para dar partida e controlar o carro remotamente, online ou por celular”, explicou Davi. 

O modelo contém dois dispositivos: um módulo para injeção eletrônica e outro módulo para automação. Ambos se conectam para ações e reações por eventos aleatórios ou programados no veículo. 

O palestrante Davi também destacou a oportunidade de participar do evento apresentando e expondo seu projeto.  “É uma satisfação imensurável, tanto para apoios e reconhecimento. O Latinoware não é mais que um simples evento de tecnologia”, ressaltou. 

 

Educação 5.0 na prática foi tema na 19° edição do Latinoware 2022

Latinoware

Um dos maiores eventos de software livre e tecnologias abertas da América Latina, contou com a palestra da educadora Débora Garofalo, sobre a educação 5.0 na prática. 

 

A palestrante Débora Garofalo se apresentou na manhã desta quinta-feira (3), na 19° edição do Latinoware 2022. Professora há cerca de 17 anos da rede pública de São Paulo, a profissional é formada em letras e pedagogia, com pós-graduação em língua portuguesa pela Unicamp e mestra em educação pela PUC-SP. 

Débora abordou sobre como a educação 5.0 veio para transformar o ambiente escolar e o dia a dia dos alunos e professores, sendo uma evolução da educação 4.0, a qual tem sua base na revolução industrial. Essa nova fase traz o aluno como centro do processo de aprendizagem e posicionando a tecnologia como meio de alcançar a transformação a partir do digital. 

As novas abordagens inovadoras, com habilidades interpessoais ganham mais relevância, como IoT, cultura maker, robótica e programação com as metodologias ativas, sendo a entrada para o desenvolvimento socioemocional com a preocupação de possibilitar que recursos tecnológicos como a robótica e a inteligência artificial, tão presentes no nosso dia a dia, possam ser integrados de forma mais humanizada.   

Segundo a educadora, para inovar, devemos levar o simples para as salas de aula, e entender as condições de cada aluno e do lugar a ser transformado. Respeitando a limitação e a criatividade de cada estudante. 

 

Voz a educação 

Idealizadora do trabalho de “Robótica com Sucata”, que se tornou uma política pública, ela conta que participa do Latinoware desde 2017, sendo o 4° ano que está participando de forma presencial. Débora fala da importância do evento para dar voz a educação: “Estou muito feliz porque foi através do Latinoware que o meu trabalho ganhou voz. Poder estar hoje palestrando num palco principal sobre educação e ter a sala cheia é uma honra” relatou. 

 

Latinoware

 

Importância e relevância da Educação 5.0 

O objetivo da educação 5.0 é desenvolver o aluno para contribuir com a sociedade na qual está inserido, preparando-o para que possa ser útil ao mundo com soluções inovadoras.  

Com esse novo avanço, as habilidades interpessoais ganham ainda mais relevância, já que o desafio agora é formar um aluno mais consciente, humano, ativo, produtivo e capacitado para enfrentar os dilemas do mundo moderno. 

De outra maneira, é essencial que a utilização da tecnologia, proporcione uma interação mais sinérgica com o meio ambiente. Também é um dos elementos necessários para que o cotidiano das pessoas seja mais saudável. 

Esse movimento tende evoluir a construção de soluções a partir da formação de sujeitos mais críticos e comprometidos que colaboram para uma sociedade mais justa e tranquila. 

FIciencias conta com a participação de projeto para monitorar pessoas com Alzheimer

FIciencias
Desenvolvido por duas alunas de Curitiba, o projeto tem como objetivo criar um aplicativo junto a uma pulseira com Qr code. 

Um dos trabalhos criados para a FIciencias desse ano, está sendo apresentado por duas estudantes, do Colégio Bom Jesus, de Curitiba (PR). O propósito é criar um aplicativo para rastrear pessoas com Alzheimer, fazendo uso de uma pulseira com Qr code. 

O projeto tem como proposta principal incluir os cuidadores e os portadores de Alzheimer na sociedade. As alunas desenvolveram uma pulseira de silicone que não seja facilmente retirada do braço, a qual contém um localizador em tempo real, conectado ao aplicativo e um Qr code que pode ser lido por qualquer pessoa. É possível ter acesso às informações principais, como nome, contatos de telefone, entre vários outros dados do idoso, se estiver desacordado ou perdido pode-se entrar em contato com os familiares. 

O aplicativo contém três interfaces: a principal que mostra a localização da pessoa que está utilizando a pulseira. Na segunda aba, sendo a do idoso com a agenda, as memórias e um botão de ajuda. Nesta agenda pode adicionar eventos, como tomar remédios e nas memórias pode postar fotos com descrição de quem queira lembrar. Na terceira, a aba do cuidador, é possível configurar as memórias, a agenda e a configuração da pulseira e do aplicativo em geral. 

Além disso a ideia também é estender para pessoas com autismo ou com deficiência cognitivas e motoras, que também costumam passar por situações como acidentes, esquecimentos ou saírem sozinhos. 

A estudante, Amapola Ferreira, que desenvolveu o projeto, convive com seu avô que desenvolveu o Alzheimer “ele não lembra mais o meu nome, então sempre me chama de “querida”, essas dificuldades que hoje ele tem em casa me fizeram considerar um projeto para ajudar eles”, contou. 

FIciencias

Ela conclui revelando que foi uma alegria saber que poderia participar da FIciencias. “Participar de uma feira Internacional, de uma feira que tem essa publicidade toda, quando descobrimos que fomos selecionados foi uma felicidade imensa”, finalizou a estudante. 

Sobre a FIciencias 

A Feira de Inovação das Ciências e Engenharias (FIciencias), é um espaço para estudantes apresentarem ideias criativas e inovadoras, contribuírem com o conhecimento e a evolução no mundo das ciências. 

O evento, aberto a toda a comunidade, é realizado entre 24 a 28 de outubro no Hotel Golden Park, pelo Parque Tecnológico Itaipu – Brasil (PTI-BR) e pela Itaipu Binacional, em parceria com as universidades:  UEL, UEM, Unicentro, UFFS, UTFPR e Unila.  

A programação completa do evento está disponível em: www.ficiencias.org.