PTI-BR é premiado no XXVI SNPTEE com artigo sobre case Microgrid Colombari

Com satisfação, o Parque Tecnológico Itaipu (PTI-BR) recebeu premiação no Grupo de Estudo de Sistemas de Distribuição, no XXVI SNPTEE, o mais importante evento do setor elétrico brasileiro.

O artigo entitulado “Implantação real de microrrede em sistema de distribuição 34,5 KV: experiência do Projeto Microrrede Colombari”, é uma parceria entre o PTI-BR, Itaipu Binacional, Copel e CIBiogás. Quem desenvolveu o artigo foram os engenheiros eletricistas Guilherme Justino; Dabit Gustavo Sonoda; Felipe Crestani; Zeno Luiiz Iensen Nadal; Rogério Meneghetti; Rafael de Oliveria Ribeiro; Rodrigo Braun dos Santos; Maycon Vendrame.

Para Justino, representante da Instituição de Ciência e Tecnologia PTI-BR, o prêmio é fruto da dedicação de todos os envolvidos no projeto. “É gratificante conquistar este espaço frente ao setor elétrico. Considero a confirmação do importante papel que estamos desempenhando”.

O trabalho apresenta os aspectos de implantação de uma microrrede em sistema de distribuição instalada na região oeste do Paraná. A microrrede em questão trata-se de um projeto piloto executado entre Itaipu Binacional, o PTI, a Copel e CIBiogás. Dentre suas características operacionais, pode ser considerada a primeira microrrede em sistemas de distribuição do Brasil. Com início de operação em setembro de 2021, o arranjo proposto permite que unidades consumidoras se mantenham energizadas através de unidades de geração distribuída durante desligamentos de emergência da rede principal.

Para o diretor técnico do PTI, Rafael Deitos, “este é mais um resultado que demonstra e reforça o posicionamento do PTI como ICT do setor de energia. Neste caso específico, fomos premiados demonstrando o case sobre microrredes, algo que o PTI e Itaipu foram bastante inovadores em realizar”.

Trending topics do setor elétrico são temáticas de atuação do PTI-BR no XXVI SNPTEE

PTI apresenta no SNPTEE possibilidades de atualização tecnológica para o setor elétrico brasileiro

O Parque Tecnológico Itaipu leva ao evento serviços técnicos e produtos personalizadas que podem vir a apoiar em demandas do setor de energia elétrica; entenda participação da instituição no Seminário.  

Durante esta semana, o Parque Tecnológico Itaipu (PTI-BR) estará imerso na temática de Energias, que é uma de suas linhas de atuação. A Instituição de Ciência e Tecnologia (ICT) leva ao XXVI Seminário Nacional de Produção e Transmissão de Energia Elétrica – SNPTEE, soluções em sistemas, produtos e serviços técnicos que visam atender demandas do setor elétrico. Esta edição do evento está sendo considerada histórica pela grande quantidade de estudos técnicos submetidos, número de participações e patrocinadores. 

O evento promovido pelo Comitê Nacional Brasileiro de Produção e Transmissão de Energia Elétrica – CIGRE-Brasil, acontece na cidade do Rio de Janeiro, entre 15 e 18 de maio, e é o maior evento técnico do setor elétrico brasileiro. O conselho diretor do PTI marca presença no SNPTEE com o diretor superintendente, general Eduardo Garrido; diretor técnico, Rafael Deitos; e o diretor de negócios e inovação, Rodrigo Regis. 

Autoridades durante abertura do Seminário. Foto: Kiko Sierich/PTI-BR

Durante a solenidade de abertura, autoridades lembraram de momentos difíceis para o setor. “Enfrentamos duas crises recentemente, uma crise sanitária sem precedentes, e a pior crise de escassez hídrica dos últimos 91 anos”, comentou o secretário-adjunto de energia elétrica no Ministério de Minas e Energia, Domingos Andreatta, representando o Ministro Adolfo Sachsida. Ainda na cerimônia de abertura do XXVI SNPTEE, a Itaipu Binacional foi citada como exemplo nacional de geração de energia limpa e renovável. 

“A geração de energia é o foco da Itaipu Binacional”, afirma o diretor-geral brasileiro da usina, Almirante Anatalício Risden. “Para produzir mais, temos que nos atualizar sempre. Para tanto, temos que buscar novas tecnologias, e o braço que conduz isso é o PTI, que já vem fazendo estudos e prospecções na área constantemente”. Risden frisa ainda que são a partir de estudos e pesquisas realizadas em instituições como Parque Tecnológico Itaipu que o Brasil se consolida com um setor elétrico eficiente.  

Participar do congresso, enquanto Instituição de Ciência e Tecnologia, segundo o diretor superintendente do PTI-BR, general Eduardo Garrido, é abrir novas oportunidades de negócios. “Estamos trazendo as tecnologias que já desenvolvemos, trazendo nossas expertises, principalmente em áreas que interessam a todo o setor elétrico, como a questão de acumuladores de energia, hidrogênio verde, segurança cibernética, entre outros temas. O PTI é capacitado para ser uma ICT para o setor elétrico”.  

Presidente da Eletrobras, Rodrigo Limp; diretor-geral brasileira da Itaipu, almirante Anatalício Risden; e diretor superintendente do PTI, general Eduardo Garrido.

ExpoSNPTEE  

O Parque Tecnológico participa da ExpoSNPTEE em dois ambientes: em estande próprio e no estande da Itaipu Binacional. No estande do Parque Tecnológico, será possível encontrar soluções voltadas à gestão territorial como prospecções energéticas, mapeamento geoelétrico, prospecções de microrredes, bem como estruturação de estratégias ESG – do inglês Environmental, Social and Governance – personalizadas para o setor. Além disso, a spinoff do PTI, Lean Automation Smart Systems S.A., também estará presente no espaço expondo soluções especializadas para automação de instalações críticas. 

Já no estande da Itaipu, está exposto o SAE, um Sistema de Armazenamento de Energia, com monitoramento remoto e potencial de expansão de potência e capacidade, sendo ideal para diferentes ambientes, contando com sistema Plug & Play. Outro equipamento disponível será o SMRM, que atua com automatização do processo de medição da vibração, temperatura e rotação de motores, contando com algoritmos de cálculo personalizados para o usuário, além de interface gráfica local e sistema web para visualização das informações online.  

Apresentações de artigos técnicos pelo PTI-BR 

Durante o evento, o Parque Tecnológico estará apresentando 3 (três) estudos desenvolvidos por seus técnicos. Confira: 

  • 18 de maio, às 8h20: Aprimoramento da localização de faltas em linhas de transmissão usando dados de um terminal: uma iniciativa embarcada em dispositivo real. O artigo será apresentado pelo bolsista do PTI, Felipe Vigolvino Lopes.  
  • Ainda em 18 de maio, às 10h30: Impacto da modelagem de usinas baseadas em inversores em testes de IEDs de proteção de distância no RTDS, modelo completo ou modelo médio. A apresentação fica a cargo do engenheiro eletricista do PTI, Guilherme Louro Justino.  
  • Também neste dia, às 10h30, o engenheiro eletricista Jonas Villela de Souza apresenta estudo sobre: A implantação real de microrrede em sistema de distribuição 34,5 KV: experiência do Projeto Microrrede Colombari.

Para mais informações, acesse: pti.org.br/snptee2022 e nosso LinkedIn PTI Soluções.

 

 

 

 

PTI enquanto ICT levará suas expertises para o maior evento do setor elétrico do Brasil, o XXVI SNPTEE

A Instituição de Ciência e Tecnologia, PTI-BR, participa do evento demonstrando potencial de atendimento customizado às demandas e necessidades de empresas de geração, distribuição e transmissão de energia.

Entre os dias 15 e 18 de maio, o Parque Tecnológico Itaipu – Brasil (PTI-BR) participará do XXVI Seminário Nacional de Produção e Transmissão de Energia Elétrica – SNPTEE, promovido pelo Comitê Nacional Brasileiro de Produção e Transmissão de Energia Elétrica – CIGRE-Brasil, no Riocentro, na cidade do Rio de Janeiro.

O PTI participará como patrocinador do evento – o maior do setor elétrico brasileiro – posicionando-se enquanto Instituição de Ciência e Tecnologia (ICT), que leva soluções customizadas às geradoras, distribuidoras e transmissoras de energia elétrica. Com estande no SNPTEE, o Parque Tecnológico estará apresentando suas soluções na área de Gestão Energética, bem como estudos técnicos desenvolvidos.

Durante os quatro dias de evento, serão apresentados mais de 520 informes técnicos, abordando temas diversos dentro de grupos de estudos. Além de apresentações sobre inovações técnicas, manutenção e operação de usinas e linhas de transmissão, os trabalhos ainda englobam temas como comercialização e economia de energia, impactos ambientais e aspectos gerenciais do setor elétrico brasileiro. Os estudos produzidos e apresentados para o SNPTEE contribuem com o processo de tomada de decisão e de planejamento do setor elétrico nacional.

Rafael Deitos, diretor técnico do PTI-BR, explica que a instituição vem atuando em soluções e serviços para o setor elétrico, demonstrando sua expertise técnica com objetivo de contribuir no avanço da qualidade, competitividade e segurança dos agentes. “O SNPTEE é um dos maiores eventos do setor elétrico, e promove a troca de experiências entre os mais diversos atores (empresas de distribuição, geração e transmissão, fabricantes, academia, ICTs, entre outros) através da apresentação de trabalhos técnicos na área. Nós, enquanto ICT, com mais de 10 anos de atuação no setor, participaremos mostrando como podemos agregar valor aos negócios dos nossos clientes e parceiros”.

Serviço

XXIII SNPTEE – Seminário Nacional de Produção e Transmissão de Energia Elétrica

De 15 a 18 de maio de 2022 – Riocentro, Rio de Janeiro

Para mais informações, acesse: pti.org.br/snptee2022 ou o LinkedIn PTI Soluções.

 

Empresas do ecossistema de inovação do PTI-BR foram graduadas nesta terça-feira, 10

As quatro startups: Evah, Embio, AIS e Facilitas, fizeram parte da Incubadora Santos Dumont por mais de 5 anos; a partir de agora seguem como referência de modelo de negócios. 

Um marco histórico aconteceu na manhã desta terça-feira, 10 de maio. Quatro empresas que passaram pelo processo de incubação na Incubadora Santos Dumont, pertencente ao Parque Tecnológico Itaipu – Brasil (PTI-BR), foram graduadas.  

Para chegar à graduação, a startup incubada passa por processos: foco no primeiro cliente e consolidação do mínimo produto viável; foco na estruturação da gestão para suportar crescimento, faturamento recorrente e novas formas de monetização; escala da solução, consolidação do portfólio, preparação para rounds de investimentos maiores, contando com mentorias, consultorias, capacitações, conexões e demais iniciativas, visando o crescimento e amadurecimento do negócio no mercado, até finalmente ser graduada.   

A história das quatro empresas comprova que ser empreendedor no Brasil é sinônimo de coragem e superação. A afirmação é do diretor superintendente do Parque Tecnológico Itaipu, general Eduardo Garrido. “As startups que estavam no nosso ambiente fecham um ciclo, e o PTI sente-se satisfeito por criar as condições e as oportunidades de gerar negócios inovadores e que atendem à sociedade”.  

De acordo com o diretor de negócios e inovação do PTI, Rodrigo Régis, o papel do Parque Tecnológico, por meio da incubadora, é promover e criar conexões para o desenvolvimento do negócio. “E o papel da incubação é exatamente esse, criar pontes e facilitar o caminho para o negócio”. Regis explica que o processo de graduação é o reconhecimento de que a empresa gera e agrega valor para todo um ecossistema, e que tem apresentado incrível desempenho nos indicadores da Incubadora. 

Durante a solenidade, as empresas foram homenageadas com placas de graduação e protótipos de foguetes, símbolo que representa a Incubadora Santos Dumont. Estiveram presentes na cerimônia de graduação das startups, o presidente da Acifi, Danilo Vendrusculo; o diretor-executivo da Acifi, Dimas Braganholo; e Maísa Silvestre, consultora do Sebrae Paraná, representando o gerente regional, Augusto Stein. 

Alçando voos mais altos 

Com o coração cheio de gratidão, o empresário Victor Velazquez, da AIS tecnologia, relembrou a trajetória empreendedora e os desafios enfrentados no dia a dia até chegar à graduação. “Se queremos ir rápido, vamos sozinhos; se queremos ir longe, temos que ir juntos, e nossa relação com o PTI faz muito nesse sentido nesse ponto”, disse. “Foram dezenas de eventos, workshops, viagens, treinamentos, pitchs, que contribuíram diretamente e foram fundamentais para o nosso desenvolvimento e para a gente chegar onde chegou”, contou. Hoje, a AIS já atende indústrias e empresas renomadas como a própria Itaipu Binacional.  

Da família, para o mercado 

A Embio é uma empresa familiar e o empreendedorismo corre nas veias na seus proprietários. Com longos períodos de estiagem, a empresa repensou em como tornar o agronegócio mais produtivo e atualmente segue abastecendo nacionalmente seus produtos para melhoria de solos e lavoura. A empreendedora, Marta Schumacher, relembra que o acompanhamento do PTI na caminhada da startup foi fundamental. “Aprender as características empreendedoras e viver o empreendedorismo, embora termos bons exemplos na família, foi essencial para poder planejar a empresa”. Marta relembra que as dificuldades foram usadas como alavanca para oportunidades. “Foi árdua a caminhada dos últimos dois anos, mas agora começamos a respirar um pouco mais, e eu sei que toda essa preparação fez diferença, nossa gratidão a todos do PTI porque a gente sabe que é um conjunto de pessoas que fazem as coisas acontecerem para nos conectar com todo o ecossistema disponível no Parque Tecnológico”. 

Superação e realização de sonhos  

A Evah cogitou encerrar suas operações, mas reinventou-se e continua firme, agregando valor a pequenas e grandes empresas, tornando-as digitais e competitivas no mercado, em um cenário em que a transformação digital era necessária para sobrevivência. “Passamos por momentos difíceis, mas hoje estamos aqui concretizando um sonho, de ser empresário, ter um negócio próprio, também de gerar empregos e riqueza”, conta o sócio proprietário, Anderson Kohls. Segundo o empresário, o apoio e suporte oferecido pelo PTI foi fundamental para que a Evah seguisse agregando valor a pequenas e grandes empresas, tornando-as digitais e competitivas no mercado nesse cenário de transformação digital. “Estamos impactando negócios em Foz do Iguaçu, em todo o Brasil e fazendo captações no exterior”, destacou Anderson.   

Apoiando a sociedade 

A empresa Facilitas remodelou seu negócio, deixando de ser somente um marketplace para pessoas com acessibilidade, tornando-se uma plataforma para comercialização de insumos e materiais para a área da saúde. A Facilitas trabalha com as melhores marcas de produtos para clínicas, estética, laboratórios e estúdio de tatuagem. 

Educação 4.0: PTI-BR lança curso de Metodologias Ativas

O Parque Tecnológico Itaipu é uma Instituição de Ciência e Tecnologia e visa apoiar educadores no processo de ensino-aprendizagem; inscrições finalizam em 01 de maio. 

Despertar o pensamento crítico é um desafio diário em sala de aula, ainda mais com tantas tecnologias e informações sendo recepcionadas ao mesmo tempo na cabeça do aluno. Assim, o Parque Tecnológico Itaipu (PTI-BR) chega para apoiar professores da rede pública e privada e demais interessados no tema, a promover habilidades colaborativas e cognitivas nos estudantes, por meio de novas formas de aprender. 

Com expertise de mais de dez anos de seu Centro de Ciência e Educação, o PTI oferta o curso que vem para apoiar na resolução de problemas reais, deixando os alunos mais preparados para as competências exigidas pelo mercado de trabalho. No curso de “Metodologias Ativas: Educação 4.0”, será estudado: aspectos básicos das metodologias ativas; ensino por investigação; aprendizagem baseada em projetos; movimento maker e aprendizagem criativa. 

As aulas serão assíncronas, ou seja, não há um dia e horário específico para serem realizadas, o aluno pode finalizar o curso em até quatro semanas. A carga horária contempla a leitura do material didático elaborado e a realização das atividades de aprendizagem ao final de cada unidade. Para isso o participante terá acesso ao curso por meio do Ambiente Virtual de Aprendizagem do PTI. 

O curso contém 40 horas e é autoinstrucional. Para se inscrever no curso o aluno deverá acessar a página do evento que será criada no Sympla. A plataforma permite que o participante pague no cartão (em até 12x) ou boleto bancário; é possível emitir Nota Fiscal.  

Com início marcado para 16 de maio, o curso finaliza em 12 de junho. Ao término de cada unidade o participante terá acesso a um questionário para verificar seu entendimento com relação aos conceitos que foram trabalhados. Essas atividades, contemplam perguntas objetivas no formato de múltipla escolha, ou poderá exigir que o aluno seja capaz de aplicar, sintetizar ou avaliar os conhecimentos aprendidos, por meio de perguntas abertas. 

Dúvidas? Contate a equipe de Ciência e Educação do PTI-BR pelo e-mail educacao@pti.org.br. 

 

Embaixador do Cazaquistão visita PTI-BR interessado em projetos de Energias Renováveis

A visita aconteceu neste domingo (24), onde a autoridade demonstrou interesse em projetos voltados para Baterias e Segurança Cibernética.  

O Parque Tecnológico Itaipu (PTI-BR) recebeu, neste domingo (24)  o Embaixador do Cazaquistão no Brasil, Bolat Nussupov. A visita iniciou pela Itaipu Binacional, sendo recepcionada pelo diretor-geral brasileiro da usina, almirante Anatalício Risden, passando por pontos turísticos e estratégicos da hidrelétrica, como o Hall de Geradores e a Sala de Controle Central. 

No PTI-BR, o embaixador conheceu alguns dos principais projetos e ações desenvolvidas pela instituição, com foco em duas de suas linhas de atuação: Segurança de Infraestruturas Críticas, e Energias. O Embaixador foi recebido pelo diretor superintendente do Parque Tecnológico, general Eduardo Garrido, que apresentou a estrutura e o ecossistema do Parque Tecnológico, e seus eixos de atuação no mercado.  

A engenheira eletricista do Núcleo de Inovação Tecnológica, Ana Carolina Sala Moreno, apresentou os projetos e laboratórios do PTI. Dentre eles, o Laboratório de Baterias, onde são desenvolvidos novos modelos de baterias, bem como aprimoramento das baterias já existentes. Ao conhecer o Laboratório de Ensaios Químicos, onde são realizadas pesquisas acerca do desenvolvimento de baterias, o Embaixador destacou acreditar ser um projeto imponente de interesse internacional. Sobre o Centro de Segurança Cibernética, o Embaixador demonstrou interesse em futuras parcerias. 

O Embaixador finalizou a visita indicando trazer, em breve, uma comitiva maior do Cazaquistão para aprofundar conhecimentos sobre os Centros de Competência do PTI-BR.  “Encontrei aqui diversos temas que são de nosso interesse. Volto em breve com equipe para firmarmos projetos de cooperação, intercâmbio entre universidades e institutos de pesquisa”.  

Programa Vila A Inteligente informa

O Parque Tecnológico Itaipu informa que nesta sexta-feira, 22 de abril, foi identificado o furto dos cabos de energia do totem da startup IceHot, localizado na Avenida Araucária. As autoridades policiais já foram acionadas.

A equipe técnica da empresa e do PTI-BR estão trabalhando para que o equipamento retorne ao seu pleno funcionamento. Devido às recentes chuvas, estima-se que os reparos sejam realizados no decorrer dos próximos dias.

O Comitê Gestor do Programa Vila A Inteligente coloca-se à disposição da população iguaçuense para eventuais dúvidas.

Solução ambiental desenvolvida pelo PTI-BR traz eficiência operacional à Itaipu

Agilidade e assertividade são benefícios oferecidos pelo Sistema de Monitoramento Ambiental (SIMA) desenvolvido pelo PTI e já utilizado pela hidrelétrica há mais de 3 anos; solução pode ser aplicada ao agronegócio. 

Um sistema criado para aprimorar o processo de coleta de dados das estações climáticas, passou a ser essencial para o trabalho da Diretoria de Coordenação da Itaipu Binacional. A partir do Sistema de Monitoramento Ambiental (SIMA), é possível compilar informações meteorológicas, sobre a qualidade da água do reservatório, águas subterrâneas, e sedimentos; tudo de forma automatizada.  

Agora, os técnicos encontram, de forma unificada, todos os dados ambientais monitorados pela Itaipu Binacional, que mantém um histórico ambiental desde 1977. Para a bióloga da Divisão de Reservatório da Itaipu Binacional, Simone Friderigi Benassi, que usa diariamente o SIMA, o trabalho que era feito durante semanas, passou a obter agilidade antes desconhecida.  

“Todas as informações que ali estão compiladas, antes eram planilhadas manualmente, para posteriormente serem transformadas em gráficos. Com o SIMA, além das informações já estarem todas dispostas em um mesmo dashboard, não precisamos mais gerar gráficos, o próprio sistema gera”, comenta a bióloga. Com a implementação do Sistema, os dados foram automatizados e passaram a compor um banco de dados unificado. 

O SIMA, desenvolvido pelo Parque Tecnológico Itaipu por meio de convênio junto à Superintendência de Informática da Itaipu, surgiu a partir da necessidade de facilitar a coleta dos dados das estações climáticas, para a qual muitas vezes era necessário o deslocamento de um técnico ao local.  

Segundo o diretor técnico do PTI, Rafael Deitos, enquanto Instituição de Ciência e Tecnologia (ICT), o propósito do PTI é justamente criar soluções inovadoras que agreguem valor para o cliente. “Dentro do nosso objetivo estratégico de atender demandas da Mantenedora (Itaipu), criamos o SIMA, e é gratificante ver a solução sendo utilizada no dia a dia de usina, pois concretiza nosso propósito”.  

As estações climáticas são capazes de monitorar cerca de 40 variáveis, que incluem temperatura, umidade, volume de chuva e direção do vento. Já em relação à qualidade da água, as estações e amostras coletadas fornecem informações como temperatura, pH (acidez), partículas em suspensão, entre outras características em diferentes profundidades que tornam possível um acompanhamento detalhado das águas do Lago de Itaipu.  

O SIMA segue em constante atualização. Uma das mais recentes funcionalidades, torna possível selecionar informações por bacia hidrográfica, possibilitando entender variações em determinados parâmetros.  

Atualmente, o SIMA também identifica informações biológicas da cadeia atrófica do Lago. Simone explica que antes do SIMA era inviável identificar estas informações por conta do volume de dados em diferentes níveis taxonômicos. “Agora eu posso, por exemplo, avaliar as algas que existem no reservatório, por espécie, gênero, ordem, família e filo, resultado assim em estudos mais assertivos e maior qualidade da água”, comenta a bióloga. 

O superintendente de informática da Itaipu, Everton Pasqual, ressalta que “A missão da Superintendência de Informática é justamente a de prover soluções de TI com excelência e inovação que proporcionem a melhoria da gestão para as áreas de negócio. Fizemos isso bem por meio do SIMA, e para isso contamos com a parceria que temos com o Parque Tecnológico Itaipu Brasil, por meio do convênio.” 

Para conhecer mais sobre as soluções do Parque Tecnológico Itaipu, clique aqui.

Último dia para inscrever-se no Programa de Inovação em Hidrogênio Verde

Entusiastas e curiosos são bem-vindos para desenvolverem pesquisas sobre a área de energias, especificamente sobre hidrogênio; inscrições terminam em 22 de abril.  

O primeiro ciclo de inscrições para o Programa de Inovação em Hidrogênio Verde iH2Brasil, finaliza nesta sexta-feira, 22. O Programa tem como objetivo fortalecer o ecossistema brasileiro de Pesquisa, Desenvolvimento & Inovação, por meio do apoio a soluções para toda cadeia produtiva de Hidrogênio Verde. O projeto é uma realização da Aliança Brasil-Alemanha para o Hidrogênio Verde, com execução do Parque Tecnológico Itaipu e CIBiogás. 

Cada ciclo é composto pela fase de: sensibilização de entusiastas à inovação aberta na cadeia do H2V; seleção de projetos; capacitação dos selecionados; aceleração das melhores propostas de inovação. Assim, devem ser desenvolvidas soluções para a geração, distribuição e aplicação do Hidrogênio Verde no Brasil. O programa é previsto até o final de 2023. A partir disso, o ecossistema brasileiro de Pesquisa, Desenvolvimento, Inovação e Empreendedorismo passa a contribuir para o desenvolvimento do Hidrogênio Verde no Brasil.   

Para o diretor superintendente do PTI-BR, general Eduardo Garrido, “com essa parceria passamos a fazer parte do corpo técnico de desenvolvimento de novas soluções tecnológicas, produtos, serviços e processos, na área de Hidrogênio Verde”. 

“O CIBiogás busca o desenvolvimento da cadeia produtiva da bioenergia no Brasil. Entendemos que esta chamada é uma oportunidade para que o pPaís construa capacidades de se destacar no mercado de hidrogênio. Nós queremos incentivar a inscrição de empresas, pesquisadores e interessados que possam aproveitar essa chance para desenvolver novas tecnologias”, afirma Rafael González, diretor-presidente do CIBiogás. 

A Aliança Brasil-Alemanha propõe o desenvolvimento de novas soluções com potencial para revolucionar o mercado do hHidrogênio vVerde. A afirmação é do gerente de Inovação e Sustentabilidade da AHK Rio, Ansgar Pinkowski. “O iH2Brasil traz esta grande oportunidade para pesquisadores, mas também para toda e qualquer pessoa que tenha interesse em ingressar ou se desenvolver neste novo mercado de energia no Brasil.” 

Quem pode participar? 

Por meio de um programa de ideação, o entusiasta irá passar por uma jornada para que ideias possam se tornar negócios, através de uma metodologia dinâmica e muita mão na massa em grupo. Os participantes trabalharão focados em aprofundar seu entendimento sobre os problemas reais, para depois desenvolver soluções inovadoras para estes desafios. 

Startups também podem se inscrever. A categoria Startups tem como objetivo específico alavancar negócios inovadores e promover a inovação aberta por meio do desenvolvimento de projetos-piloto entre startups e empresas já estabelecidas. Com isso, 12 startups serão beneficiadas na primeira edição. 

As inscrições podem ser feitas clicando aqui. Para mais informações, acesse o regulamento de todas as categorias ou envie um e-mail para ih2brasil@ahk.com.br

Programa de Inovação em Hidrogênio Verde 

O programa é uma realização da Aliança Brasil-Alemanha para Hidrogênio Verde, formada pelas Câmaras de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha de São Paulo e do Rio de Janeiro, com apoio da Cooperação Brasil-Alemanha por meio da Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH e do Ministério de Minas e Energia (MME). 

Conheça mais sobre hidrogênio verde nesta série!