Você está aqui Em obras: Mirante do Vertedouro da Itaipu começa a ganhar cara nova

Não tem como competir: aberto, o vertedouro da usina de Itaipu é incomparável como atrativo da usina. E o seu mirante, agora, está passando por uma grande revitalização pra fazer jus ao seu atrativo principal.  O projeto de repaginação do local, feito pelo Parque Tecnológico Itaipu (PTI-BR), vai proporcionar aos turistas e moradores de Foz do Iguaçu e região, uma experiência ainda mais única do espaço. O “novo” mirante do vertedouro deve ficar pronto em março de 2021, ou seja, dentro de cinco meses.

Desde o início do ano, o local está passando por mudanças: todo o piso, por exemplo, foi trocado e agora é do tipo paver, pensando em uma melhor acessibilidade aos visitantes – esta parte das obras foi executada pela Itaipu. Em setembro, o PTI, que é responsável pela administração dos atrativos turísticos da hidrelétrica em conjunto com a Itaipu, iniciou um novo conjunto de melhorias no espaço.

Todo o projeto foi elaborado pela equipe de profissionais de engenharia e arquitetura da área de Infraestrutura, Segurança e Serviços do Parque Tecnológico. Conforme explica a engenheira Daniele Gotardo Martinez, as ações foram planejadas com base em relatos dos próprios visitantes para assegurar a excelência no atendimento dos turistas na maior geradora de energia elétrica do mundo.

A área total que está sendo revitalizada é de aproximadamente 400 m², com um investimento de pouco mais de R$ 1,5 milhão. Atualmente, a área próxima ao vertedouro tem uma infraestrutura simples e, por isso, o tempo de parada dos visitantes era restrito – apenas para alguns registros, principalmente no pórtico fotográfico.

Com a revitalização, a intenção é que os turistas desfrutem mais esse espaço, onde estão sendo construídos uma rampa para uma visão mais ampla do vertedouro, com dois metros de altura, bancos, lanchonetes itinerantes, banheiros e estruturas para proteção em dias de chuva, a fim de propiciar um tempo maior de permanência no espaço. Também será edificado um palco que poderá ser utilizado para shows e eventos organizados pela Itaipu e pelo PTI.

Novos pontos de ônibus com cobertura serão instalados, com infraestrutura de wi-fi disponível aos turistas e os fluxos do transporte serão otimizados, garantindo maior autonomia do visitante durante sua visita.

A reforma do Mirante do Vertedouro dá início a uma série de ações que o Parque Tecnológico Itaipu, como gestor do Complexo Turístico Itaipu, pretende promover para incrementar a experiência dos turistas na usina. Estão previstas também obras no Mirante Central, adequações no Centro de Recepção de Visitantes e a inserção de tecnologias.

“Entre as atuações do PTI-BR está o desenvolvimento de soluções para o aprimoramento do turismo, atividade que tem importância fundamental para a economia de Foz do Iguaçu e região. Como gestores dos atrativos da usina, estamos comprometidos com a melhoria contínua dos serviços oferecidos aos nossos visitantes”, diz o diretor superintendente do PTI, general Eduardo Garrido.

Para o diretor-geral brasileiro de Itaipu, general Joaquim Silva e Luna, “essas melhorias vão garantir uma experiência única da nossa gente e de viajantes do mundo inteiro na usina de Itaipu”.

PTI e Fundação Araucária aportam quase meio milhão em soluções tecnológicas para o combate aos efeitos econômicos da Covid-19

Uma nova fase iniciou para quatro startups brasileiras nesta quinta-feira, 15, após a assinatura dos contratos de aceleração do Programa de Inovação Corporativa, promovido pelo Parque Tecnológico Itaipu (PTI-BR), a Fundação Araucária e o Sebrae-PR. Cada empreendimento vai receber até cem mil reais para investir no desenvolvimento de soluções tecnológicas com foco em “Medidas de combate aos efeitos econômicos da COVID-19”, uma das linhas previstas no edital do Programa.

Ao todo, 15 empreendedores de três estados – Paraná, Minas Gerais e Rio de Janeiro – participaram do edital de Inovação Corporativa, com propostas voltadas ao auxílio da retomada do crescimento econômico devido aos efeitos da pandemia do coronavírus, uma das ações do PTI no Programa Acelera Foz.

A AIS – Ambientes Virtuais, a B2B Hotel, a EVAH.io e a Quality Educação Médica foram as empresas selecionadas por uma banca especializada – composta por empreendedores, avaliadores, investidores e representantes de instituições parceiras – entre as soluções apresentadas durante o Demoday virtual, realizado em agosto.

Um dos diretores da AIS Ambientes Virtuais, Yuri Sefrin, representou as empresas que serão aceleradas. Foto: Kiko Sierich/PTI

A partir da assinatura dos contratos, as empresas aceleradas vão receber a primeira parcela dos investimentos para, em um período de 12 meses, colocarem em prática os seus projetos, contando com o suporte e a mentoria de todo o ecossistema do Parque Tecnológico e da Fundação Araucária.

O diretor superintendente do PTI, general Eduardo Garrido, destacou que essa é a terceira entrega significativa do Parque Tecnológico dentro das iniciativas do Programa Acelera Foz, juntamente com o Programa Integração Universidade Empresa e o Desafio Inova Oeste, buscando diversificar a economia do município através do incentivo ao empreendedorismo e à inovação.

“Nós temos a oportunidade de investir recursos em soluções tecnológicas e inovadoras e, com isso, resolvemos problemas, incrementamos a economia da cidade e geramos empregos. Tudo isso tem a ver com o programa de inovação aberta que o PTI quer desenvolver dentro do nosso ecossistema”, enfatizou Garrido.

Já o diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação da Fundação Araucária, Luiz Márcio Spinosa, ressaltou a importante abordagem conduzida pelo PTI ao criar uma agenda de incubação aberta. “Além de um ambiente promotor de inovação em que a dinâmica da hélice quadrúpla acontece. Este esforço conjunto só pode resultar em frutos de desenvolvimento socioeconômico e humano com a criação de riqueza e bem estar.”

O Programa Inovação Corporativa se insere no esforço da Fundação Araucária de fortalecimento dos ecossistemas de inovação, com a implantação dos Novos Arranjos de Pesquisa e Inovação (NAPIs).

O presidente da Fundação Araucária, Ramiro Wahrhaftig, citou a importância de instituições como a Itaipu Binacional e o PTI, as cooperativas, o Biopark em Toledo e a força das universidades para o avanço na área de tecnologia e inovação na região oeste do Estado.

“Temos um grande hub de inovação e de infraestrutura e logística que contribui para o desenvolvimento do Brasil, principalmente na região oeste, e do Paraguai. A presença muito forte das universidades é um grande diferencial na formação de pessoas que são o grande ativo na criação de riquezas e que estão mudando a face do Estado”, pontuou Ramiro.

A cerimônia de assinatura dos contratos foi realizada de forma híbrida: autoridades se dividiram entre o presencial e o virtual. Foto: Kiko Sierich/PTI

Para o diretor de Negócios e Inovação do PTI, Rodrigo Régis, um dos grandes desafios de um ecossistema de inovação é “como tirar uma ideia do papel até transformá-la em um produto”.

“A Linha 01 do Programa de Inovação Corporativa, incentiva as pessoas a colocarem suas ideias em prática e desenvolvê-las em um produto. Já a Linha 02, é para aquelas empresas que já têm um produto, mas precisam de tração para crescimento. O conjunto disso, faz com que sejam otimizados os investimentos e reduzidos os riscos de fracasso”, explicou Régis.

Participaram ainda da cerimônia o gerente regional oeste do Sebrae-PR, Augusto Cesar Stein, o presidente do Conselho Econômico e Social de Foz do Iguaçu (Codefoz), Mario Camargo, e um dos diretores da AIS Ambientes Virtuais, Yuri Sefrin, representando as empresas que serão aceleradas.

Especial:

PTI y Fundación Araucaria aportan casi medio millón en soluciones tecnológicas para el combate a los efectos económicos de Covid-19

Una nueva fase inició para cuatro startups Brasileñas el jueves, 15, después de la firma de los contratos de aceleración del Programa de Innovación Corporativa, promovido por el Parque Tecnológico Itaipú (PTI-BR), La Fundación Araucaria y el Sebrae-PR. Cada emprendimiento recibirá hasta cien mil reales para invertir en el desarrollo de soluciones tecnológicas con foco en “Medidas de combate a los efectos económicos de la COVID-19”, una de las líneas previstas en el edicto del Programa.

En total, 15 emprendedores de tres estados – Paraná, Minas Gerais y Río De Janeiro – participaron del Edicto de Innovación Corporativa, con propuestas dirigidas al auxilio de la reanudación del crecimiento económico debido a los efectos de la pandemia del coronavirus, una de las acciones del PTI en el Programa Acelera Foz.

AIS-Entornos Virtuales, B2B Hotel, a EVAH.io y Quality Educación Médica fueron las empresas seleccionadas por una banca especializada-compuesta por emprendedores, evaluadores, inversores y representantes de instituciones asociadas – entre las soluciones presentadas durante el Demoday virtual, realizado en agosto.

Uno de los directores de AIS Entornos Virtuales, Yuri Sefrin, representó a las empresas que se acelerarán. Foto: Kiko Sierich/PTI

A partir de la firma de los contratos, las empresas aceleradas recibirán la primera parte de las inversiones para, en un período de 12 meses, poner en práctica sus proyectos, contando con el apoyo y la tutoría de todo el ecosistema del Parque Tecnológico y de la Fundación Araucaria.

El director superintendente del PTI, General Eduardo Garrido, destacó que esta es la tercera entrega significativa del Parque Tecnológico dentro de las iniciativas del Programa Acelera Foz, juntamente con el Programa integración Universidad Empresa y el desafío Innova Oeste, buscando diversificar la economía del municipio a través del incentivo al emprendimiento y a la innovación.

“Tenemos la oportunidad de invertir recursos en soluciones tecnológicas e innovadoras, y con eso resolvemos problemas, incrementamos la economía de la ciudad y generamos empleos. Todo esto tiene que ver con el programa de innovación abierta que PTI quiere desarrollar dentro de nuestro ecosistema”, enfatizó Garrido.

El director de Ciencia, Tecnología e Innovación de la Fundación Araucaria, Luiz Márcio Spinosa, resaltó el importante abordaje conducido por el PTI al crear una agenda de incubación abierta. “Además de un entorno promotor de innovación en el que se desarrolla la dinámica de la hélice cuadrúpula. Este esfuerzo conjunto solo puede dar lugar a frutos de desarrollo socioeconómico y humano con la creación de riqueza y bienestar.”

El Programa Innovación Corporativa se inserta en el esfuerzo de la Fundación Araucaria de fortalecimiento de los ecosistemas de innovación, con la implantación de los nuevos arreglos de Investigación e Innovación (NAPIs).

El presidente de la Fundación Araucaria, Ramiro Wahrhaftig, citó la importancia de instituciones como la Itaipu Binacional y el PTI, las cooperativas, el Biopark en Toledo y la fuerza de las universidades para el avance en el área de tecnología e innovación en la región oeste del Estado.

“Tenemos un gran centro de innovación e infraestructura y logística que contribuye al desarrollo de Brasil, principalmente en la región oeste, y Paraguay. La presencia muy fuerte de las universidades es un gran diferencial en la formación de personas que son el gran activo en la creación de riquezas y que están cambiando la cara del Estado”, puntuó Ramiro.

La ceremonia de firma de los contratos fue realizada de forma híbrida: autoridades se dividieron entre lo presencial y lo virtual. Foto: Kiko Sierich/PTI

Para el director de negocios e Innovación de PTI, Rodrigo Régis, uno de los grandes desafíos de un ecosistema de innovación es “cómo sacar una idea del papel hasta convertirla en un producto”.

“La línea 01 del Programa de Innovación Corporativa, alienta a las personas a poner sus ideas en práctica y desarrollarlas en un producto. Ya la línea 02, es para aquellas empresas que ya tienen un producto, pero necesitan tracción para crecimiento. El conjunto de esto, hace que se optimicen las inversiones y se reduzcan los riesgos de fracaso”, explicó Régis.

Participaron también de la ceremonia el gerente Regional oeste del Sebrae-PR, Augusto Cesar Stein, el presidente del Consejo Económico y Social de Foz do Iguaçu (Codefoz), Mario Camargo, y uno de los directores de AIS Ambientes Virtuales, Yuri Sefrin, representando las empresas que serán aceleradas.

Especial:
COVID-19

Com tour virtual, turista já pode visitar o Ecomuseu de Itaipu sem sair de casa

A partir desta quarta-feira (14), turistas de qualquer parte do mundo poderão visitar o Ecomuseu de Itaipu sem sair de casa. O tour virtual em 360º pode ser feito a partir de links nos sites da Itaipu (www.itaipu.gov.br) e do Complexo Turístico Itaipu (www.turismoitaipu.com.br). Ou diretamente clicando neste endereço: http://ronyfotografias.com.br/worldvirtualtour/ecomuseu_itaipu_binacional/ 

A iniciativa faz parte da programação de aniversário do Ecomuseu, que nesta sexta-feira (16) completa 33 anos. E segue uma tendência mundial: a visita on-line virtual é uma estratégia adotada pelos principais museus e ganhou força, neste ano, por causa da pandemia de covid-19.

Ao acessar a plataforma, o visitante poderá percorrer os corredores e salas de exposição do Ecomuseu, conhecer detalhes do acervo e saber mais sobre a história da região, desde os primeiros habitantes, o processo de ocupação da terra, até a construção da usina de Itaipu.

Entre os destaques do passeio, estão uma sessão do Ciência na Esfera, com imagens animadas da Terra e de outros planetas, fotos, maquetes, depoimentos de pioneiros e artefatos arqueológicos. Placas informativas instaladas em diferentes pontos do Ecomuseu também poderão ser acessadas – basta clicar no ícone que aparece na tela.

A programação de aniversário começou na última sexta-feira (9) com o lançamento do guia ilustrado do Ecomuseu. O material impresso será entregue aos turistas que visitarem presencialmente o atrativo, contendo informações detalhadas sobre o circuito. Empregados de Itaipu também receberam o guia.

Na segunda (dia 12), foi lançado o “Itaipu Sustenta-Habilidades”, um jogo de realidade alternativa (ARG, na sigla em inglês) voltado para crianças e adolescentes. O link do game está disponível nos sites e redes sociais da Itaipu, Parque Tecnológico Itaipu (PTI) e Conselho de Desenvolvimento dos Municípios Lindeiros.

No dia 20, haverá uma cerimônia com a presença de diretores da Itaipu e autoridades convidadas para comemorar o aniversário do Ecomuseu. No evento, será feito o lançamento da websérie “Conhecendo o Ecomuseu” e do kit “Guias pedagógicos da Itaipu Binacional”. Também serão detalhados os projetos de reforma e ampliação previstos para o espaço.

*Fonte: Divisão de Imprensa Itaipu Binacional 

Stac, incubada no PTI, conquista os dois primeiros lugares em desafio da Embrapa

Concorrendo com startups de todo o País, a Stac, empresa incubada no Parque Tecnológico Itaipu (PTI-BR), em Foz do Iguaçu, levou o primeiro e o segundo lugar do InovaAvi, desafio de ideias na avicultura promovido pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) – Suínos e Aves.

O Stac Robot, que auxilia o produtor na movimentação diária das aves, foi o grande vencedor da iniciativa. O segundo lugar foi para o Avestac Pro, aplicativo da startup iguaçuense que permite o gerenciamento remoto dos aviários. A qualificação no desafio é o passaporte da Stac para o “Pontes Para a Inovação”, evento da Embrapa que tem como objetivo conectar as Agritechs com investidores que possam disponibilizar recursos para acelerar seus projetos.

O InovaAvi foi lançado em fevereiro deste ano e recebeu 36 propostas de nove estados do Brasil; destas, 10 foram selecionadas para apresentarem suas soluções a um time de 67 avaliadores nos dias 06 e 07 de outubro. O sócio-proprietário da Stac, Mahuan Abdala, conta que, antes dessa etapa, a empresa fez um conjunto de entregas que envolveu quatro fases: eixo mercadológico, eixo tecnológico, modelagem do negócio e construção do pitch (apresentação final da solução).

Durante o InovaAvi, os membros da startup contaram com um padrinho da Embrapa e com o suporte da Incubadora IncTech de Chapecó, que fez o acompanhamento da trilha do trabalho de todos os projetos.”Todo esse trajeto, bem como o acesso ao time de especialistas da Embrapa, fortaleceu nossos projetos, com grande potencial para estabelecer uma cooperação técnica para o desenvolvimento de soluções voltadas à avicultura”, considera Mahuan.

Ser uma empresa incubada no PTI, segundo ele, foi fundamental para as conquistas da Stac. “Só tivemos a oportunidade de participar e conquistar as duas primeiras classificações no evento justamente pela trajetória já percorrida junto à Incubadora do PTI, que sempre nos auxiliou no desenvolvimento e aprimoramento de nossas soluções, e nos preparou para este momento”, destaca o sócio-proprietário da startup.

“O fomento do Parque Tecnológico em relação àainovação e novos negócios, com o objetivo de gerar desenvolvimento, riqueza e bem-estar especialmente para a nossa região, começa com as empresas incubadas no PTI, que recebem todo o suporte colocar em prática seus projetos e obter grandes conquistas. A Stac é uma empresa incubada que está presente em nosso ecossistema e tem se destacado”, salienta o diretor superintendente do PTI, general Eduardo Garrido.

Além de já estar classificada para a próxima edição do “Pontes para a Inovação”, em que terão a chance de conectar-se com investidores, aceleradores, parceiros e potenciais clientes, a Stac também recebeu como prêmio do InovaAvi acesso ilimitado aos cursos da Academia da Avicultura por um ano e mentoria com especialistas em agronegócio, tecnologia e negócios.

Sobre a Stac e suas soluções

Os empreendedores da Stac chegaram em 2016 à Incubadora do PTI com apenas a ideia do negócio. Eles entraram para o processo de pré-incubação e, em um ano, formalizaram a empresa. As soluções da startup para aprimorar os resultados da produção aviária já chamaram a atenção de importantes atores do setor, como é o caso da cooperativa Copagril, que assinou em fevereiro deste ano um contrato com a Stac para a disponibilização da tecnologia em benefício de seus associados.

A solução ganhadora do InovaAvi, o Stac Robot é um robô autônomo multipropósito, que possui sensores e inteligência embarcada para estimular a movimentação das aves, visando a melhoria do ganho de peso médio diário e a redução da condenação por contaminação durante o abate, resultando em maior rentabilidade para o produtor e agroindústria. O projeto está sendo desenvolvido em parceria com o laboratório de Internet das Coisas (IoT) da Universidade Estadual do Paraná (Unioeste).

Já o AveStac PRO é uma solução que tem como objetivo auxiliar o produtor na tomada de decisão e no manejo de seus aviários, a partir da utilização de dispositivos IoT que realizam o monitoramento em tempo real das informações relacionadas ao ambiente e produtividade. Os dados do AveStac PRO dão suporte a cooperativas e empresas do setor privado em seus planejamentos estratégicos, com base nas informações de cada um de seus integrantes, reduzindo, assim, custos e otimizando processos.

Mais informações sobre a startup e seus produtos podem ser obtidas no site: https://agrostac.com.br/

Monitoramento das tecnologias do Vila A Inteligente será feito a partir da Concha Acústica do Gramadão

O Centro de Controle de Operações (CCO) das tecnologias que serão instaladas pelo Programa Vila A Inteligente já tem um local pré-definido de funcionamento: a Concha Acústica do Gramadão da Itaipu. Ali as informações de todos os equipamentos serão monitoradas e integradas a outros sistemas, assegurando aos moradores e visitantes do bairro maior sensação de segurança e maior agilidade nas atividades do dia a dia.

Esta melhoria na qualidade de vida dos cidadãos é que motiva a iniciativa que tornará a Vila A o primeiro bairro público inteligente do País. O projeto reúne o Parque Tecnológico Itaipu (PTI-BR), a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), a Itaipu Binacional e a Prefeitura de Foz do Iguaçu.

A instalação do CCO na Concha Acústica foi um dos temas da primeira reunião do Comitê Gestor do Vila A Inteligente, realizada na última quarta-feira, 7, de forma virtual. A partir deste mês, o Gramadão passa por um processo de revitalização administrado pela Itaipu, com previsão de conclusão em dez meses. O terreno ficará interditado para a agilidade da obra.

Neste intervalo de tempo, já terão sido instaladas as primeiras tecnologias previstas para o Vila A Inteligente: semáforos, pontos de ônibus e iluminação pública inteligente; e câmeras com reconhecimento facial e de placas de veículos. Estes equipamentos serão implementados nos próximos dois meses.

Atuação do Comitê     

A instalação das primeiras soluções de Cidades Inteligentes recebeu o aval do Comitê Gestor. Integram o grupo representantes do PTI-BR, Prefeitura, Associação Comercial de Foz do Iguaçu e da Associação de Moradores da Vila A.

O comitê é responsável por decisões estratégicas sobre o projeto, como a definição dos temas prioritários para o bairro e das tecnologias a serem implementadas, além do monitoramento e a avaliação das ações em andamento.

No primeiro encontro foram definidos o presidente do Comitê, que será o diretor técnico do Parque Tecnológico, Rafael José Deitos, e o secretário do grupo, cargo pelo qual o analista de negócios do PTI, Rodrigo Luiz Cardoso, ficará responsável.

A partir de então, o Comitê Gestor deverá se reunir todos os meses  para tomar decisões sobre o projeto-piloto, como prevê decreto da Prefeitura que instituiu na Vila A um sandbox, ou seja, um espaço para demonstração e validação de tecnologias que podem ser aproveitadas por empresas de todo o País.

De acordo com Rafael Deitos, o Comitê tem como uma de suas atribuições ser um mecanismo para o estímulo da inovação, viabilizando estratégias que sejam atrativas para os empreendedores. Ele lista a redução de custos e prazos para o desenvolvimento de produtos e serviços, como exemplo.

Consultoria

Na quinta-feira, 8, o Programa Vila A Inteligente iniciou também um processo de regulamentação, com o apoio de uma consultoria especializada em Cidades Inteligentes. A intenção é que o modelo implementado no bairro de Foz do Iguaçu possa ser replicado em outras cidades de todo o País.

Especial:

Do online à vida real: Itaipu e PTI propõem desafios para crianças e adolescentes

O Jogo Desafio Itaipu: Sustenta-Habilidades, direcionado para crianças e adolescentes, iniciará de forma online, mas levará questões para dentro de casa e a solução deverá voltar para o ambiente virtual. A partir da próxima segunda-feira, 12, será dada a largada para a “brincadeira”, que leva muito a sério temas como meio ambiente, energia e sustentabilidade.

O modelo em que foram organizados os desafios é o de jogo de realidade alternativa (ARG – Alternative Reality Game, em inglês), que promove a interação do real com o virtual para aprimorar o nível de informações e estimular o pensamento sistêmico, lógico e emocional. Ao todo, serão nove desafios – um cada a cada quinze dias, elaborados pelo convênio Educação Ambiental, Ciências e Sustentabilidade da Itaipu Binacional em parceria com o Parque Tecnológico Itaipu (PTI-BR).

No dia 12 de outubro será lançado o primeiro vídeo de apresentação do Jogo Desafio Itaipu: Sustenta-Habilidades. Nos dias seguintes, serão apresentados os quatro espaços educadores que ambientam os jogos: a usina de Itaipu, o Ecomuseu, o Refúgio Biológico e a Expedição do Conhecimento. O primeiro desafio será divulgado no dia 19 de outubro, com o tema “Será que a água gera energia?”.

A sequência dos vídeos segue uma lógica narrativa chamada de storytelling, em que o participante terá a missão de gerenciar uma usina hidrelétrica.Os vídeos estarão disponíveis no Youtube do Parque Tecnológico Itaipu (www.youtube.com/ptibrasil) e também no site do Desafio Itaipu (www.desafioitaipu.com).

Pelo site as crianças e adolescentes também poderão cadastrar as soluções dos desafios, com vídeos de no máximo um minuto. A cada missão finalizada, o jogador recebe um selo virtual como recompensa. Ao fim de todas as tarefas – o último desafio será publicado em março de 2021 -, os participantes terão nove selos, que gerarão um selo personalizado como reconhecimento de toda a trajetória percorrida.

Com as dez conquistas em mãos, será possível trocar por um prêmio, disponibilizado de forma virtual. Um segundo prêmio será entregue aos 100 primeiros jogadores a obterem os 10 selos, que será enviado pelos Correios.

O principal objetivo do Desafio Itaipu: Sustenta-Habilidades é estimular o pensamento crítico e reflexivo sobre as temáticas propostas, para que as crianças e adolescentes se reconheçam como agentes transformadores de seu território.

Como os vídeos serão disponibilizados publicamente no Youtube, poderão ser acessados por qualquer pessoa interessada, e também poderão ser usados como recurso didático para professores.  A proposta é direcionada aos municípios da área de atuação da Itaipu, mas jovens de qualquer lugar do Brasil poderão participar das atividades.

 

Educação Ambiental, Ciências e Sustentabilidade

O convênio entre a Itaipu e o Parque Tecnológico oferece vivências educativas, científicas e culturais a alunos da região Oeste do Paraná, com atividades interativas nas estruturas educadoras da Itaipu, que compreendem o Ecomuseu, o Refúgio Biológico e a Expedição do Conhecimento, sendo esta um caminhão-baú itinerante de 15 metros de extensão que levará aos municípios atividades de educação ambiental, sob as temáticas água, energia e sustentabilidade.

Devido à pandemia do coronavírus, as atividades presenciais estão momentaneamente suspensas, o que levou a uma readequação do conteúdo para a continuidade da formação socioambiental de crianças e adolescentes de forma online.

Curso oferecido por Itaipu e PTI leva boas práticas sustentáveis para comunidades de outros países

Até o próximo dia 18 de outubro, interessados em participar do nível básico do curso “Gestão para Sustentaridade Territorial”, oferecido pelo Parque Tecnológico Itaipu (PTI-BR) e a Itaipu Binacional, podem se cadastrar para uma das turmas exclusivas nos idiomas inglês ou espanhol. A formação é autoinstrucional e realizada na modalidade Ensino à Distância (EaD).

Para a comunidade hispanofalante estão sendo disponibilizadas 50 vagas. Já para a turma em inglês, o limite é de 40 participantes. As inscrições podem ser realizadas gratuitamente no endereço pti.org.br/eis.

O curso “Gestão para Sustentabilidade Territorial” integra as ações da Escola Internacional para Sustentabilidade, lançada pelo PTI-BR e a Itaipu, no início do ano. Desde então, quase duas mil pessoas já se inscreveram nas nove turmas que foram abertas.

Boas práticas sobre Coleta Seletiva da Itaipu são exemplos para outros países. Foto: IB

Multiplicando boas práticas 

A versão em espanhol visa atender a demanda de inscritos e interessados, oriundos de países da América Latina como Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Costa Rica, Paraguai e Venezuela. A ideia é ampliar a rede de multiplicadores de boas práticas para além do território nacional.

Este é o caso do gestor ambiental costa-riquenho Rene Ruiz Delgado, que atua em Libéria, uma cidade com cerca de 50 mil habitantes, localizada a pouco mais de 200 km da capital San Jose.

Rene afirma que encontrou as informações sobre o curso enquanto pesquisava sobre temas ambientais que pudessem agregar ao trabalho que desenvolve em sua comunidade. O gestor integrou a segunda turma em espanhol, ofertada em agosto.

“Identifiquei a oportunidade de conhecer melhor os projetos que Itaipu tem desenvolvido não só relacionados ao meio ambiente, mas também no desenvolvimento social e econômico das comunidades, que a tornaram reconhecida mundialmente”, destacou Rene.

Ainda de acordo com o cursista, o aprendizado vai além teoria, ele pretende reunir diferentes atores locais para discutir as possibilidades de colocar em prática, de forma adaptada, algumas das ações que conheceu durante a capacitação.

“A participação de diferentes setores da comunidade é indispensável para o sucesso das iniciativas. Vamos buscar replicar boas práticas como a coleta seletiva, compras sustentáveis, formação de cooperativas e turismo sustentável”, explicou Rene.

Já a turma em inglês está sendo oferecida pela primeira vez e deve estender o alcance dos conteúdos para além da América Latina.

Sobre o curso

A formação aborda de forma sistematizada e didática os conceitos, projetos e programas socioambientais desenvolvidos pela Itaipu em seu território de atuação ao longo dos anos. Desenvolvido na modalidade de Ensino à Distância (EaD), o curso é gratuito e os conteúdos estão disponíveis no Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) do PTI, com carga horária de 40 horas.

Monitoreo de las tecnologías de la villa Inteligente se hará a partir de la Concha Acústica del Gramadão

El Centro de control de operaciones (CCO) de las tecnologías que serán instaladas por el Programa Vila A Inteligente ya tiene un local predefinido de funcionamiento: La Concha Acústica del Gramadão de Itaipú. Allí las informaciones de todos los equipamientos serán monitoreadas e integradas a otros sistemas, garantizando a los habitantes y visitantes del barrio mayor sensación de seguridad y mayor agilidad en las actividades del día a día.

Esta mejor en la calidad de vida de los ciudadanos es que motiva la iniciativa que convertirá a Villa en el primer barrio público inteligente del País. El proyecto reúne el Parque Tecnológico Itaipu (PTI-BR), La Agencia Brasileña de Desarrollo Industrial (ABDI), la Itaipu Binacional y la Prefectura de Foz do Iguaçu.

La instalación del CCO en La Concha Acústica fue uno de los temas de la primera reunión del Comité Gestor del Vila A Inteligente, realizada el pasado miércoles, 7, de forma virtual. A partir de este mes, el césped pasa por un proceso de revitalización administrado por Itaipú, con previsión de finalización en diez meses. El terreno quedará prohibido para la agilidad de la obra.

En este intervalo de tiempo, ya fueron instaladas las primeras tecnologías previstas para el Vila A Inteligente: semáforos, paradas de autobús e iluminación pública inteligente; y cámaras con reconocimiento facial y de placas de vehículos. Estos equipos se implementarán en los próximos dos meses.

Actualización del Comité

La instalación de las primeras soluciones de Ciudades Inteligentes recibió el aval del Comité Directivo. Integran el grupo representantes del PTI-BR, Ayuntamiento, Asociación Comercial de Foz do Iguaçu y de la Asociación de habitantes de la Villa A.

El Comité es responsable de decisiones estratégicas sobre el proyecto, como la definición de los temas prioritarios para el barrio y de las tecnologías a ser implementadas, además del monitoreo y la evaluación de las acciones en curso.

En el primer encuentro fueron definidos el presidente del Comité, que será el director técnico del Parque Tecnológico, Rafael José Deitos, y el secretario del grupo, cargo por el cual el analista de negocios del PTI, Rodrigo Luiz Cardoso, quedará responsable.

A partir de entonces, el Comité Directivo deberá reunirse todos los meses para tomar decisiones sobre el proyecto piloto, como prevé decreto del Ayuntamiento que instituyó en la villa a un sandbox, o sea, un espacio para demostración y validación de tecnologías que pueden ser aprovechadas por empresas de todo el País.

Según Rafael Deitos, el Comité tiene como una de sus atribuciones ser un mecanismo para el estímulo de la innovación, viabilizando estrategias que sean atractivas para los emprendedores. Enumera la reducción de costos y plazos para el desarrollo de productos y servicios, como ejemplo.

Consultoría

El jueves, 8, El programa Vila A Inteligente inició también un proceso de regulación, con el apoyo de una consultoría especializada en Ciudades Inteligentes. La intención es que el modelo implementado en el barrio de Foz do Iguaçu pueda ser replicado en otras ciudades de todo el País.

Especial:

COVID-19

PTI-BR e Grupo Sarabia, do Paraguai, se unem para o desenvolvimento de soluções para o Agronegócio

O agronegócio brasileiro e paraguaio só tem a ganhar: a partir desta quinta-feira, 08, a experiência no desenvolvimento tecnológico e inovador do Parque Tecnológico Itaipu (PTI-BR) alia-se ao conhecimento de mais de 27 anos no mercado do Grupo Sarabia, ao qual pertencem as empresas Agrofértil e Tecnomyl, para a construção conjunta de soluções em benefício do setor.

Com a formalização da parceria, realizada em solenidade restrita na manhã desta quarta-feira, 08, no PTI, o Grupo Sarabia é somado como empresa âncora ao ecossistema do Parque, juntando-se a startups, instituições de ensino e aos centros de competência da instituição. A expectativa é que, inicialmente, seja investido aproximadamente R$ 1 milhão no desenvolvimento de produtos e serviços que contribuirão com o aumento da competitividade  do agronegócio dos dois países.

Ao conhecer os Centros de Competência e laboratórios do Parque, que tem como um de seus eixos temáticos de atuação o agronegócio, o Grupo Sarabia enxergou uma oportunidade de intensificar um processo que iniciou há três anos, quando foi criado o seu departamento de inovação.

Sustentabilidade e desenvolvimento

De acordo com o presidente do Grupo, José Marcos Sarabia, desde quando surgiu, em 1993, o conglomerado sempre pautou sua atuação pela inovação – a isto ele atribui a liderança que possui no atendimento ao setor do agronegócio paraguaio. Sarabia acredita que a parceria com o PTI vai fortalecer essa característica de suas empresas.

“Sabemos que na agricultura é preciso novas tecnologias, inovadoras, para aumentar a produtividade com sustentabilidade. Sabemos também que, com a tecnologia que existe no PTI e a expertise que temos no agronegócio, vamos conseguir desenvolver startups, soluções inovadoras e, com isso, acelerar o desenvolvimento de Foz do Iguaçu, do Paraguai e de toda a região”, afirmou Sarabia.

O head de inovação do Grupo, Felipi Sarabia, destacou que entre os focos da parceria com o PTI estão “projetos na linha de agricultura inteligente, agricultura digital, fazendas inteligentes e soluções inovadoras para o agronegócio, que, com certeza, trarão grandes frutos para a sociedade”.

“Hoje o PTI-BR consolida uma importante parceria com o Grupo Sarabia e reafirma o seu compromisso com a busca pela sustentabilidade. O agronegócio é uma das temáticas de atuação definidas em nosso Planejamento Estratégico e é um vetor determinante para o crescimento econômico do país”, pontuou o diretor superintendente do PTI, General Eduardo Garrido.

“Nosso ecossistema conta com empresas incubadas que oferecem inovações e tecnologias, seguindo as tendências da indústria 4.0 com foco na transformação do agronegócio. Estou certo de que a parceria firmada fortalecerá o protagonismo do Grupo Sarabia em seu território de atuação, ampliando sua competitividade e aumentando a sua eficiência no mercado”, complementou Garrido.

O diretor de Negócios e Inovação do PTI, Rodrigo Régis de Almeida Galvão, destacou que, como empresa âncora, o Grupo Sarabia reforça o ecossistema de inovação do Parque. “As empresas âncoras são as principais demandantes de soluções tecnológicas, o que estimula o desenvolvimento de produtos e serviços que podem surgir de startups. A importância dessa parceria é a consolidação desse ecossistema, que contribuirá com a geração de renda e bem-estar para a sociedade”.