Português

Conectando educação, pesquisa,

 

 

inovação e negócios

Doutorandos em Engenharia Elétrica assistem à aula inaugural do curso

27/03/2017

Doutorandos em Engenharia Elétrica assistiram à aula inaugural do curso na última sexta-feira (24), no Parque Tecnológico Itaipu (PTI). A primeira turma do doutorado, que é fruto de uma parceria entre a Fundação PTI, a Itaipu Binacional e o Programa de Pós-Graduação em Engenharia (PPG/EE) da Escola de Engenharia de São Carlos – Universidade de São Paulo (USP), tem 25 alunos – entre regulares e especiais (aqueles que acompanham apenas algumas disciplinas).

 

O Doutorado em Engenharia Elétrica – área de concentração: Sistemas Elétricos de Potência é ofertado sem custo à comunidade e possui conceito 7, o mais alto na avaliação da Comissão de Aperfeiçoamento de Pessoal do Nível Superior (Capes). O principal objetivo do curso é a qualificação de recursos humanos para o desenvolvimento científico-tecnológico e, sobretudo, a formação de docentes para a criação de novos programas de pós-graduação stricto sensu, fora dos centros consolidados de ensino e pesquisa.

 

A primeira aula do doutorado interinstitucional foi ministrada pelo professor Eduardo Asada, pela disciplina de Análise Estática de Sistemas de Energia Elétrica. Ele explicou que essa é uma disciplina básica para a análise de sistemas de potência geral. “Nós verificamos a modelagem da rede, métricas de solução, técnicas numéricas de solução para obter o estado de funcionamento da rede elétrica. A partir disso, os alunos vão usar essas informações para as pesquisas e outros estudos que eles farão”, comenta. “É uma disciplina muito básica, como se fosse Circuitos Elétricos para os alunos de graduação”, compara.

 

O professor destaca a importância da realização do doutorado para o aumento da capacitação da mão-de-obra. “Independentemente se for para a área acadêmica ou para a própria indústria de energia, a ideia é ter um pessoal pensante aqui, capaz de propor novas ideias, n ovas metodologias, para alavancar a pesquisa ou a parte produtiva”, ressalta Asada.

 

Dos 25 doutorandos, 18 são regulares e sete são alunos especiais. Entre eles estão colaboradores da Itaipu Binacional e da Fundação PTI.