Transformar conhecimentos e tecnologias em

 

soluções para o progresso da sociedade

Itaipu, PTI e Unioeste entregam robôs para ajudar hospitais na desinfecção de ambientes

Itaipu, PTI e Unioeste entregam robôs para ajudar hospitais na desinfecção de ambientes

23/07/2020

Três dos principais hospitais do Oeste do Paraná receberam nesta quinta-feira (23), em Foz do Iguaçu, aliados tecnológicos importantes no combate ao novo coronavírus: robôs de desinfecção de ambientes. Os equipamentos são eficazes contra vírus, fungos e actérias. A inovação é resultado de um projeto executado em parceria pela Itaipu Binacional, Parque Tecnológico Itaipu (PTI-BR) e Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), com apoio da Receita Federal.
   
A entrega dos robôs foi realizada no Hospital Ministro Costa Cavalcanti (HMCC), mantido pela Itaipu e um dos locais beneficiados em Foz do Iguaçu. Além do HMCC, receberam os equipamentos representantes do Hospital Municipal Padre Germano Lauck, de Foz, e do Hospital Universitário do Oeste do Paraná (HUOP), de Cascavel. 
   
Para a desinfecção, os robôs utilizam a tecnologia de radiação ultravioleta do tipo C (UVC), que é capaz de destruir a capa proteica e o material genético de qualquer tipo de vírus, assim como fungos e bactérias. Um modelo similar vem sendo utilizado no Complexo Turístico Itaipu (CTI), desde o início de junho.
   
O projeto começou a ser desenvolvido logo após a suspensão das atividades acadêmicas da Unioeste, em decorrência da pandemia, por acadêmicos dos cursos de Ciência da Computação, Engenharia Elétrica e Engenharia Mecânica, sob a orientação do professor Antonio Marcos Hachisuca, o “Shiro”. 
   
Para o diretor-superintendente do Parque Tecnológico Itaipu (PTI-BR), general Eduardo Garrido, “essa é uma contribuição para agregar uma solução ao trabalho de excelência que já vem sendo realizado pelos profissionais da saúde, que têm sido motivo de orgulho para todos nós, sempre com o intuito maior de salvar vidas”, destacou. 
   

   
O superintendente de Informática da Itaipu, Everton Schonardie Pasqual, lembrou que a usina não tem medido esforços em ações de combate à covid-19. “Estamos contentes em dar esse tipo de retorno à sociedade, conseguindo materializar alguns objetivos estratégicos em entregas como esta.”
   
Parceria estratégica e eficiente
    

No projeto do robô, Itaipu, PTI, Unioeste e Receita Federal trabalharam juntos, cada um contribuindo com a sua expertise ou possibilidade. Tem sido assim em diversas iniciativas relacionadas ao enfrentamento da covid-19. Esse tipo de parceria recebeu elogio do reitor da Unioeste, Alexandre Almeida Webber.
   
“Essa união fortaleceu o sistema de saúde de toda a região, as pesquisas, e deu oportunidade para as universidades mostrarem para a sociedade tudo aquilo que desenvolvem, mas que muitas vezes fica escondido. É preciso que essas parcerias se consolidem cada vez mais, pois trazem muitos benefícios para a sociedade”, disse.
   
O auditor-fiscal da Receita Federal e delegado adjunto da Alfândega de Foz do Iguaçu, Hipólito Caplan, disse que a entidade “tem participado e colaborado com ações que buscam proporcionar bem-estar à sociedade neste momento em que buscamos nos adaptar a este novo normal”. A Receita foi responsável pela doação de insumos tecnológicos do projeto.
   
Mais segurança para os hospitais
   

A manutenção de ambientes higienizados e desinfectados é uma preocupação constante dos estabelecimentos. Nos hospitais, isso ganha ainda mais relevância. Por isso, os representantes dos locais beneficiados com os robôs foram unânimes em afirmar que o uso da inovação será fundamental para o andamento seguro das atividades. 
   

   
De acordo com o diretor-superintendente do Hospital Ministro Costa Cavalcanti, Fernando Cossa, o projeto juntou “pesquisa e serviço para desenvolver algo que pudesse ser imediatamente utilizado em benefício da população”, afirmou. “Se conseguirmos salvar uma vida já estará valendo muito a pena”. 
   
Para o diretor pedagógico do Hospital Universitário do Oeste do Paraná, Alex Sandro Jorge, “a iniciativa é ótima porque promove uma desinfecção efetiva sem expor diretamente os funcionários”, disse, lembrando que o equipamento é eficiente não apenas contra o novo coronavírus, como contra outros tipos de vírus, fungos e bactérias.