Itaipu, Instituto LIFE e PTI testam padrão de sustentabilidade em territórios do Brasil e Paraguai

O Padrão Internacional de Gestão Territorial Sustentável tem como objetivo atestar o grau de comprometimento das organizações com a conservação dos recursos naturais.

Representantes de instituições e comunidades do território do Brasil e do Paraguai devem participar, entre os meses de março e abril, da aplicação-piloto do Padrão Internacional de Gestão Territorial Sustentável, resultado de uma parceria entre Itaipu Binacional, Instituto LIFE e Parque Tecnológico Itaipu (PTI).

O objetivo é testar o Padrão como uma ferramenta que permita medir a sustentabilidade territorial por meio de diversos parâmetros e indicadores. O Padrão é composto por uma metodologia desenvolvida pelo Instituto LIFE, formada por princípios, critérios e indicadores aprovados e reconhecidos internacionalmente e um software desenvolvido pelo PTI.

A metodologia pode ser aplicada por organizações públicas e privadas e abrange as questões ambientais, sociais, econômicas e culturais, nos meios urbanos e rurais, fornecendo resultados e relatórios compilados e gerados via plataforma online.

No Paraguai, estão previstos três encontros na última semana do mês de março com a participação de representantes das municipalidades de Hernandarias, Nueva Esperanza, Itakyry, Ypejhú e Salto del Guairá, além de representantes da Universidad Nacional del Este e de outras organizações não governamentais da Área de Contribuição Hídrica do Reservatório da Itaipu Binacional.

Enquanto isso, no Brasil, as aplicações devem acontecer no início de abril, contando com representantes de territórios que compõem as localidades da Bacia Hidrográfica do Ocoí, Consórcio Intermunicipal para Conservação do Remanescente do Rio Paraná e Áreas de Influência (Coripa), Corredor Santa Maria, municípios de Cascavel e Marechal Cândido Rondon e os municípios lindeiros ao Parque Nacional do Iguaçu.

O piloto deve contar ainda com a participação de representantes das comunidades indígenas, cooperativas, do setor empresarial e industrial, organizações não governamentais, produtores rurais, universidades e diversos municípios da região. Os participantes convidados receberão um link de acesso, login e senha para a participação do evento, que será on-line.

O evento será uma oportunidade para que cada um desses atores do território (potenciais usuários do Padrão) aplique a metodologia, inserindo dentro do software os dados referentes a suas esferas de atuação.

Atividades continuadas

Para se chegar na fase atual de aplicação, foram desenvolvidas uma série de atividades, incluindo eventos técnicos como workshops, consultas públicas, reuniões e conferências, além da apresentação em fóruns nacionais e internacionais.

Uma prévia da plataforma já foi testada por grupos técnicos formados por colaboradores da Itaipu e do PTI-BR, que colaboraram para o aprimoramento da ferramenta com suas sugestões.

Pavilhão Brasil na Expo Dubai celebra 2 milhões de visitantes

Em uma exposição mundial influenciada por incertezas da pandemia de covid-19, o Pavilhão Brasil – aberto em outubro de 2021 na Expo Dubai – comemorou nesta terça-feira (29) a marca de 2 milhões de visitantes. O número foi atingido com a chegada do casal indiano Sudha Toshniwal e Sharad Lahoti, acompanhado da filha Saiesha, de três anos de idade. Eles compareceram à exposição da Itaipu Binacional sobre os cuidados com a água, instalada no local.

“Achei muito legal! O Pavilhão Brasil é um dos mais bonitos da Expo”, afirmou Sharad ao saber que contribuiu para a marca de 2 milhões de visitantes. “Esta exposição traz esses temas da sustentabilidade, mobilidade e oportunidade, aspectos em que precisamos focar nossas vidas, e acho isso muito positivo”, completou Sudha.

A família indiana foi recebida pelo comissário-geral do Brasil na Expo, general Elias Rodrigues Martins, pelo diretor do Pavilhão Brasil, Raphael Nascimento, e pelo superintendente de Gestão Ambiental da Itaipu, Ariel Scheffer da Silva. Além de brindes, o casal recebeu uma medalha da Itaipu comemorativa aos 2 milhões de visitantes do Brasil na Expo.

A dois dias do fim do evento e com as restrições da pandemia diminuindo, a vontade de aproveitar os momentos finais da Expo tem atraído um público crescente. As atrações interativas da Itaipu também têm contribuído diretamente para conquistar os visitantes, que têm de escolher entre mais de 190 pavilhões.

Para Rafael Nascimento, o sucesso do Brasil na Expo é resultado de um trabalho de cinco anos, envolvendo todo o planejamento da participação brasileira, além da construção do pavilhão. Tudo com o objetivo de mostrar uma imagem positiva do Brasil, um país aberto ao mundo e que trabalha com os três pilares da sustentabilidade: o ambiental, o social e o econômico.

Desde o dia 20, a Itaipu Binacional ocupa o Pavilhão Brasil com uma série de atrativos que buscam sensibilizar e levar uma mensagem de conscientização ambiental de forma lúdica, interativa e imersiva, mostrando as interconexões entre água, energia, clima e biodiversidade.

A mostra da binacional contribuiu diretamente para o resultado do Brasil. Antes, a expectativa era de que o movimento em seis meses de Expo chegaria a algo em torno de 1,85 milhão de visitantes, com uma média diária de cerca de 10 mil pessoas. Com a presença da Itaipu, a média passou a ser de 28.375 visitantes, conforme os dados apurados até segunda-feira (28). Oito, dos 10 dias de maior visitação do pavilhão ao longo de seis meses, ocorreram com a presença da binacional, cuja exposição de 12 dias deve ser vista por cerca de 400 mil pessoas de todo o mundo até o final da próxima quinta-feira (31), último dia do evento.

Para Nascimento, a Itaipu “fecha com chave de ouro a participação do Brasil”. “Desde o início a empresa se mostrou comprometida com apresentar o melhor do Brasil em Dubai. E expõe em sintonia com a essência da Exposição Universal, que tem uma dimensão de entretenimento, de mesmerizar o visitante com o que cada país tem de mais fantástico”, afirmou. “O tema escolhido pela Itaipu, a água como movimento, vida e energia, se conecta completamente com os três pilares da sustentabilidade retratados no pavilhão, comprovando que o negócio da empresa não é só gerar energia, mas promover o desenvolvimento sustentável”, sintetizou.

Com informações da Comunicação Social da Itaipu Binacional.